fbpx

Novidades da Aperam

Covid-19 e as oportunidades de cooperação

Série Solidariedade Inoxidável segue narrando histórias do Projeto Aperam Bem Maior

Novas soluções para enfrentar o momento de crise e acalentar o coração com novos mundos e histórias. Essa é uma das frentes da série Solidariedade Inoxidável, da Aperam. Nesta semana, novos episódios vão dar sequência, por meio das redes sociais da empresa, aos relatos de iniciativas em prol do combate a Covid-19 na região do Vale do Aço e Vale do Jequitinhonha. 

Os internautas poderão conferir vídeos com depoimentos de voluntários, empregados, profissionais da saúde e artistas. 

Wenderson Godoi, produtor cultural e artista da dança, está entre os depoentes. Ele já coloca em prática formas de readequar o trabalho e auxiliar aqueles que precisam de novas oportunidades nesse momento de grande desafio. Um dos idealizadores do grupo Hibridus Dança, o artista relata a oportunidade de lançar um edital de auxílio a artistas informais no Vale do Aço. “Tivemos a sorte de ter um projeto aprovado e captado, e a primeira coisa que fizemos foi enviar uma readequação para o estado pedindo para que parte do projeto fosse executada de forma remota. Com isso, conseguimos abrir um edital de auxílio de R$ 500 a artistas informais do Vale do Aço. O objetivo foi ajudar na idealização de novas oportunidades de monetização, em tempos de pandemia do novo coronavírus. Ao todo, conseguimos atender 20 artistas de diversas modalidades”, destaca. O projeto contou com o patrocínio da Aperam e Usiminas, por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais. 

Outro assunto desta semana será a recuperação dos respiradores realizados pelos empregados da Aperam. Ao todo, já foram recuperados e calibrados três aparelhos. Ivana Coelho é gerente de automação e infraestrutura da Aperam e acredita no poder de transformação das pessoas. Ela participou ativamente da restauração de respiradores e afirma que, em tempos de coronavírus, somos todos responsáveis por levar mais vida a quem mais precisa. “O maior potencial que uma organização tem são as pessoas. Nesse momento de pandemia, nós vimos a oportunidade de ir aos hospitais e trazer alguns respiradores para serem recuperados aqui na usina. Essa ação reforçou o nosso orgulho de pertencer à comunidade e poder oferecer nossa contribuição num momento em que a pandemia ameaça a esperança das pessoas ”, destaca. 

Linha de frente

O Dia Internacional do Enfermeiro celebra-se no 12 de Maio. Com isso, a série irá trazer depoimentos de profissionais que seguem na linha de frente no combate a Covid-19. Débora Alves, enfermeira da Fundação Hospitalar São Vicente de Paulo em Capelinha, é uma das personagens que relata como está sendo sua vida cotidiana em meio à pandemia. “A minha rotina mudou muito com o  coronavírus. Achei melhor levar meus filhos para a casa dos meus pais para me dedicar mais ao trabalho. É um momento muito delicado, que requer cuidados com a rotina higiênica redobrada e também de estudos, pois precisamos estar sempre nos atualizando sobre a Covid-19”, finaliza.

Compartilhar:
Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Menu