Novidades da Aperam

Especialistas internacionais destacam sustentabilidade na indústria do aço

O aço é um material totalmente reciclável, com o atributo de não perder sua qualidade mesmo com sucessivos reaproveitamentos. Esta qualidade faz com que o setor de produção consiga números de destaque em práticas sustentáveis se comparado com outros segmentos. Essa sustentabilidade na indústria siderúrgica foi o tema de um dos painéis do dia de abertura do Congresso Aço Brasil, evento promovido pelo Instituto Aço Brasil e que vai até amanhã, quarta (22), no Hotel Transamérica, em São Paulo. Frederico Ayres Lima, conselheiro do Aço Brasil e diretor-presidente da Aperam South America; debateu o assunto com Peter Levi, analista de tecnologia de energia da Agência Internacional de Energia; e com o professor Michael Braungart, CEO da Environmental Protection and Encouragement Agency (EPEA).

“O aço e, por consequência, a sucata, é o produto mais reciclável do mundo, que pode ser reaproveitado inúmeras vezes”, destacou Ayres Lima. Segundo ele, no entanto, a indústrias brasileira também se destaca por outras práticas. De acordo com o Relatório de Sustentabilidade, produzido pelo Instituto Aço Brasil, as empresas brasileiras conseguem o impressionante índice de 96% de recirculação da água usada no processo de produção das ligas metálicas. Além disso, a indústria gera quase a metade da energia que consome.

O Relatório de Sustentabilidade é publicado a cada dois anos. “Fomos pioneiros em produzir uma publicação com esta no Brasil. Hoje, diversas outras indústrias já seguem o nosso exemplo e apresentam materiais do tipo”, lembra o conselheiro do Instituto Aço Brasil.

Para o professor Michel Braungart, é preciso pensar em eficiência. “Vamos pegar o exemplo de uma cerejeira. Ela produz oxigênio, óleo, frutos e, mesmo assim, todos os seus componentes são reabsorvidos pela natureza. Por outro lado, um telefone celular composto por 41 elementos e apenas nove deles são recicláveis. Nós fazemos coisas ruins perfeitamente bem e coisas boas perfeitamente erradas”, brincou.

Em sua apresentação, Braungart mostrou exemplos como o navio Triple-E, da Maersk Line, de 55 mil toneladas, feito inteiramente com materiais reutilizáveis, que podem dar origem a outro navio. Este é o pensamento Cradle To Cradle (Berço ao Berço) idealizado pelo professor e que virou um instituto de mesmo nome. “Temos que ter em mente que ninguém precisa do aço em si. Nós precisamos é do serviço que o aço nos oferece”, finaliza.

Já Peter Levi, da Agência Internacional de Energia, falou como a indústria deve lidar com a questão da geração de energia num mundo em que as emissões de CO2 só aumentam. “É preciso pensar no desenvolvimento sustentável aliado com a segurança energética, conciliando um baixo custo de transição. Para isso, é essencial a sinergia do setor siderúrgico com outros setores industriais”. De acordo com o analista, a redução da emissão de CO2 no setor passa por processos já de aprimoramento da fundição e ‘reciclagem de gases’.

O painel encerrou as atividades do primeiro dia de Congresso.

Congresso Aço Brasil – Com o objetivo de promover a análise e o debate de temas de grande relevância para a indústria do aço no Brasil e no mundo, o Congresso reúne todos os anos renomados palestrantes nacionais e internacionais. Como destaques entre os convidados, estarão no Brasil na edição de 2018 Peter Levi, da Agência Internacional de Energia; e Michael Braungart; CEO da Environmental Protection and Encouragement Agency (EPEA).

Texto original de: www.congressoacobrasil.org.br.

Compartilhar:
Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Menu

Clique no botão de edição para alterar esse texto. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.