Revista Espaço

Alta performance

Novo microscópio do Centro de Pesquisas se destaca dentre os investimentos da Aperam em tecnologia de ponta

Os pesquisadores Anderson, Robson e Dirceni, do Centro de Pesquisas da Aperam, observam imagens geradas pelo novo microscópio

Importado diretamente da República Tcheca, o novo microscópio eletrônico de varredura de alta resolução, adquirido para o Centro de Pesquisas, está entre os modelos mais avançados disponíveis em laboratórios de universidades e centros de pesquisas espalhados pelo planeta. Resultado de um investimento de cerca de 850 mil dólares, o modelo, instalado em setembro, representa uma importante atualização tecnológica e irá garantir que a pesquisa da Aperam continue reconhecida nacionalmente pelo uso de técnicas avançadas de microscopia, como a EBSD, utilizada para uma caracterização mais profunda da estrutura dos materiais.

O equipamento se une a outro microscópio da mesma marca, com mais de 20 anos de utilização no Centro de Pesquisas. Ao longo desse período, ele foi responsável pelo atendimento das necessidades de todos os projetos de pesquisa e da demanda das áreas de Produção, Assistência Técnica e Metalurgia. “Nos anos recentes, no entanto, ele se tornou obsoleto e tivemos dificuldades para encontrar peças para a sua manutenção, o que justifica o investimento. Com o novo microscópio, temos a possibilidade de realizar análises mais sofisticadas e desenvolver novas técnicas. Assim, seremos capazes de entender e caracterizar diferentes propriedades dos materiais”, explica Dirceni Amorim, pesquisadora de Aços Elétricos.


Profundidade

A microscopia eletrônica de varredura está entre as técnicas de caracterização microestrutural mais versáteis disponíveis na atualidade, encontrando aplicações em diversos campos do conhecimento, com destaque para a Engenharia e a Ciência dos Materiais. Ele funciona do seguinte modo: ao ser focalizado sobre uma amostra, um fino feixe de elétrons realiza uma interação que gera sinais diversos, capazes de ampliar em até 1 milhão de vezes as imagens. Entre as propriedades que podem ser caracterizadas por ele, estão a composição química, a superfície topográfica e a cristalografia das amostras.


Capacitação

Em 2017, está programada a visita de um especialista norte-americano a Timóteo para treinar a equipe do Centro de Pesquisa para a operação de recursos avançados do equipamento. “Na essência, o funcionamento é semelhante ao do microscópio que já temos na unidade. Mas essa capacitação garantirá o aproveitamento de todos os recursos que o novo microscópio tem a oferecer”, destaca a pesquisadora.

Compartilhar: