Revista Espaço

Celeiro de Talentos

2

A Aperam está entre as 10 principais empresas formadoras de líderes, no país, segundo a Fundação Instituto de Administração (FIA/USP) e a Revista Exame

Aperam valoriza recursos internos e gera oportunidades para a construção de carreiras e histórias de sucesso

Quem lança um olhar mais atento para a atual composição da Diretoria da Aperam constata que 100% dos cargos estão ocupados atualmente por líderes formados dentro da própria “casa”. São profissionais, com diferentes competências e trajetórias, cujas escolhas convergiram para as posições mais altas do organograma.

Pelas histórias construídas no dia a dia da Empresa, com passagem por diversas áreas, funções e cargos, no Brasil ou no exterior, os líderes da Aperam South America souberam aproveitar as oportunidades de crescimento e aprendizado, com o apoio de ferramentas de desenvolvimento e planejamento de carreira.1
Nesta matéria, os três que chegaram à diretoria mais recentemente, compartilham o caminho percorrido. Mas vale lembrar que o próprio presidente, Frederico Ayres Lima, além do diretor de Produção, Ilder Camargo Silva e do diretor Comercial, Rodrigo Damasceno, completam a alta direção e foram também formados na casa. O presidente chegou ao atual cargo em dezembro de 2014, depois de 19 anos na Empresa, em uma carreira em que começou como trainee. O mesmo início teve Rodrigo Damasceno, que assumiu a diretoria Comercial, no início de 2015. Já o atual diretor de Produção, Ilder Camargo, que registra 38 anos de Empresa, depois de ocupar a Diretoria de RH desde 2010, lançou-se em um novo desafio ao assumir, a partir de dezembro de 2015, a área de Produção.

Essa capacidade de formação de lideranças foi recentemente reconhecida pela Fundação Instituto de Administração (FIA/USP), em conjunto com a Revista Exame, a partir de dados coletados na pesquisa Fábrica de Líderes. A enquete situa a Aperam entre as 10 principais empresas formadoras de líderes. As histórias que veremos a seguir só confirmam isso.

Preparado para mudar

Aos 45 anos, o engenheiro Rodrigo Villela acaba de assumir o cargo de Diretor Financeiro. Com 16 anos de empresa, três deles na França, ele experimentou vários desafios até chegar à diretoria, no início de junho. Já em 2000, trabalhando em uma multinacional do setor de beleza, em São Paulo, ele recebeu o primeiro aviso de que a vida profissional e a pessoal seriam marcadas pela mudança. “Com apenas um mês de casado e tendo minha esposa pedido demissão do emprego para me acompanhar, recebi o convite para trabalhar com planejamento estratégico na então Acesita, o que me fez retornar a Belo Horizonte, minha cidade natal”, conta.

3

Expatriado, Rodrigo reforçou os laços familiares para superar os desafios profissionais

O trabalho na área de estratégia deu a ele uma visão ampliada da Empresa, em função das suas diversas interfaces. “Fiquei por três anos nessa atividade. Depois, mais um ano na área comercial e, em 2005, fui para a Controladoria. Meu superior francês era uma pessoa preparada e experiente e contribuiu muito para a minha formação”, acrescenta.

Lições a compartilhar

Com relação à carreira, Rodrigo diz que a Aperam é uma empresa de oportunidades e que as ferramentas de apoio às lideranças foram importantes para o seu crescimento. “Mas você precisa saber aonde quer chegar e fazer com que a empresa saiba disso. Faça a sua parte, busque o autodesenvolvimento. Demonstre que você tem interesse e que pode fazer mais. Seja curioso e estude inglês”, ensina.


Vida em família

No final de 2011, a família Villela realizou o sonho de morar na casa construída na região de Nova Lima. Tempos de estabilidade à vista? Nada disso. “Em maio de 2012, recebi uma proposta de expatriação para a França e em setembro já estava de mudança. Foi um período difícil de adaptação ao clima e ao idioma, principalmente para as crianças, que na época tinham oito e cinco anos, mas que serviu para nos aproximar ainda mais. Longe dos familiares e dos amigos, a gente só podia contar uns com os outros”, recorda.

Em Paris, Rodrigo ficou encarregado de desenvolver a área de Controladoria Comercial, responsável por controlar preços, rentabilidade, nível de margem e projeções. “A Europa não tinha isso ainda, era novo e embrionário. Fiquei dois anos e meio e voltei em 2015, com o reconhecimento pelo bom trabalho realizado”. Nos últimos 18 meses, ele foi se preparando para um escopo bem mais ampliado de atuação que engloba financeiro, tesouraria, crédito e cobrança, contabilidade, jurídico, fiscal e controladoria.

Gente que gosta de gente

A Aperam já fazia parte do universo familiar do Diretor de Recursos Humanos, Luiz Otávio Torres Procópio, mais conhecido como Taia. “Meu pai começou a trabalhar aqui quando eu tinha um ano. Depois do curso técnico, fiz estágio na Usina e queriam me efetivar, mas percebi que ainda precisava avançar um pouco mais nos estudos”. Foi assim que ele encarou a Engenharia Metalúrgica num dos mais tradicionais redutos de formação da área, a Escola de Ouro Preto.

4

Luiz Otávio, o Taia, trocou o Circuito a Quente pelo calor humano

Depois de seis anos e propostas de emprego em outras grandes empresas, o apelo familiar falou mais forte e ele voltou para a cidade e para a Usina. “Com quinze dias de trabalho, já tive que substituir meu chefe que entrou de férias”, recorda. Mas esse não foi o seu primeiro contato com a liderança. “Na faculdade, em Ouro Preto, eu era chefe do bandejão e tinha 27 pessoas sob a minha responsabilidade”, recorda.

Alta performance

Na Usina, Taia atuou 25 anos como gerente da Laminação de Tiras a Quente e, antes de assumir a Diretoria de RH, em dezembro de 2014, atuou, por um ano e meio, como gerente executivo de todo o Circuito a Quente. Ele confessa que o convite para estar à frente da gestão de pessoas balançou as suas estruturas profissionais, alicerçadas na sólida formação como engenheiro. “Mas pensei: como meu dom para trabalhar com gente foi reconhecido, essa é a oportunidade de implantar algo em que sempre acreditei. Se eu não aceitar, não vou poder reclamar mais”, comenta Taia que, no MBA em Gestão, pela Fundação Dom Cabral, desenvolveu e depois implantou, com sucesso, um projeto aplicativo voltado para a formação de equipes de alta performance.

Lições a compartilhar

Seus conceitos e princípios sobre liderança são conhecidos e compartilhados nos vários treinamentos que ministra na Usina. “O que um subordinado espera de um gestor é educação, transparência, honestidade, simplicidade e humildade. Tudo isso a gente aprende em casa. A família é o nosso primeiro curso de liderança”, conclui.


Carreira para toda vida

Paulo Marcelo de Andrade Novaes chegou a Timóteo em 1996 como trainee. Engenheiro metalúrgico recém-formado e pronto para colocar em prática o conhecimento adquirido na Universidade Federal do Rio de Janeiro, via na Empresa oportunidade de desenvolver-se tecnicamente, trabalhando com aços especiais. Na época, houve quem duvidasse que o jovem de 23 anos conseguiria se adaptar ao ritmo de vida mais calmo do interior mineiro. “Não tive dificuldades. Timóteo me acolheu muito bem e foi aqui que encontrei a minha esposa e formamos a nossa família. Viver aqui nos proporciona qualidade de vida. Almoço todos os dias em casa e posso levar minhas filhas, Gabriela e a Beatriz, à escola”, revela.

5

Para Paulo Novaes, o ambiente da Aperam é propício ao aprendizado

Ao longo desses 20 anos, Paulo Novaes, como é conhecido, fez dos desafios oportunidades de crescimento. Vivenciou experiências de gestão na área de Recozimento e Decapagem de Bobinas a Quente. Participou do programa internacional de estágio (Short Term Assignment – STA), o que lhe proporcionou seis meses de uma rica vivência em Gueugnon, na França. De volta ao Brasil, atuou nas gerências de Laminação de Aços Inoxidáveis, Laminação e Acabamento de Inox, de Suprimentos e de Circuito a Frio, até que, em janeiro de 2016, assumiu a Diretoria Técnica. Nos primeiros anos, as oportunidades se concentraram em atividades técnicas, mas durante o percurso, ele abraçou também o desafio de desenvolver as habilidades gerenciais.

Lições a compartilhar

Neste momento em que a Empresa vem recebendo um grande contingente de novos empregados, Paulo Novaes faz uma reflexão: “A Aperam é um terreno fértil para quem está disposto a aprender. O processo de formação de liderança aqui é sólido. Minha trajetória não é um caso isolado. Tenho colegas que chegaram aqui como operadores e hoje são técnicos doutores.”

Compartilhar: