Revista Espaço

Muito além do esporte

pag14_antonio-carlos_-elvira-nascimentoEnquanto o Brasil faz sua estreia como anfitrião nos primeiros Jogos Olímpicos de sua história, a seleção de empregadosatletas da Aperam mostra que já é veterana na prática esportiva, sempre de olho no bem-estar, na integração e na promoção da saúde

Natureza, amigos e vida saudável

Percorrer 100 quilômetros por vales e montanhas, durante cinco horas, na companhia dos amigos, em pleno contato com a natureza são razões suficientes para o engenheiro Antônio Carlos Ataíde optar pelo mountain bike – o ciclismo de montanha – como modalidade esportiva preferida. “Combate o estresse, deixa o corpo e a mente em forma”, avalia. Para participar das provas e competições, cada vez mais frequentes na região, ele treina até cinco vezes por semana.

Vida nova com a corrida

pag14_pedro-e-vilamar-elvira-nascimento

O que o esporte fez por você? “Mudou a minha vida e devolveu a minha alegria de viver”, responde o operador Pedro Magalhães, 58 anos, há 36 na Aperam. A dedicação à corrida foi fundamental para vencer problemas de saúde, no final dos anos 1990. Hoje ele é exemplo de disposição e superação. Pedrão, como é conhecido pelos colegas, prefere distâncias curtas, três e cinco quilômetros, mas se prepara todos os dias, nas ruas ou na academia, para a meia maratona do Rio de Janeiro, em outubro.

Benefícios da atividade física

12


Viva o fair play

pag14_-elvira-nascimento

Ele tentou os esportes coletivos, mas se encontrou mesmo no tênis, prática que, embora muito competitiva, valoriza o fair play (jogo limpo). Fã do suíço Roger Federer, que considera como “um gênio”, o assistente técnico Arísio Barbosa diz que o tênis exercita a inteligência e a concentração. “Sem contar, é claro, o preparo físico, a disposição e a postura”, completa. Para ele, a receita para se manter fiel à prática esportiva é simples: “A melhor atividade física é aquela de que você gosta”.

Corpo em movimento

pag16_erich-rodrigo-e-eudes-elvira-nascimento

Brincadeira de criança, o futebol quase virou coisa séria na vida do analista Erich Santos. Filho de empregado da antiga Acesita, ele treinou durante a infância até o final da adolescência, nas categorias de base do Acesita Esporte Clube e do São Cristóvão. Em 1991, ingressou no Senai e abandonou os campos por causa do trabalho e dos estudos. Para combater o sedentarismo, o retorno aos gramados foi inevitável. Hoje ele disputa jogos pela categoria máster. A prática esportiva, segundo ele, é importante para manter o corpo em movimento e ampliar o convívio social.

Na mira

pag14_antony-roldao-e-cleonice-elvira-nascimento

Concentração e controle emocional, disciplina e força de vontade, domínio e técnica são habilidades que o engenheiro de automação, Antony William, encontrou na prática do tiro esportivo, modalidade presente desde a primeira edição dos Jogos Olímpicos, em 1896, em Atenas. “No começo, tinha dificuldade para estabilizar, mas fui me aperfeiçoando e apurando a precisão”, conta ao afirmar que a prática nada tem a ver com arma de fogo. Antony pratica o tiro nos finais de semana e, em algumas vezes, na companhia dos colegas da Aperam, Cleonice Alves e Antônio Roldão.

 

Compartilhar:
Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Menu

Clique no botão de edição para alterar esse texto. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.