Revista Espaço

Inovação no Alto-Forno

Nova tecnologia permite a utilização de carvão vegetal e coque no topo do Alto-Forno

7

Alto-Forno 2 na Usina de Timóteo

As equipes de operação, manutenção, matérias-primas e controle de processo da Redução desenvolveram uma nova tecnologia que permite a utilização simultânea de carvão vegetal e coque no topo do Alto-Forno.

A tecnologia, inédita na siderurgia mundial, reduz o custo de produção e diminui as emissões de CO2, uma vez que o carvão vegetal é proveniente de reflorestamento, enquanto o coque é fabricado a partir do carvão mineral, um combustível fóssil.

“Conseguimos produzir um gusa mais barato, com uma fonte de energia renovável e ainda amenizamos a questão da vulnerabilidade do mercado de coque atual, que apresenta grande volatilidade de preço e redução de oferta”, destaca Hélvio Caldeira, gerente executivo da Redução.

Até o momento, a área utiliza 7% de carvão vegetal no topo do Alto-Forno, mantendo os índices de produtividade e qualidade do gusa produzido e atendendo aos requisitos legais de meio ambiente e segurança.

A substituição total da carga reduzirá  as emissões de CO2 em aproximadamente 500 mil toneladas/ano. Para viabilizá- la, a Empresa está investindo em uma série de adequações na planta industrial. “Estamos ampliando o pátio de matérias-primas, com a construção de um novo basculador de caminhões, uma nova torre de peneiramento, novos sistemas de desempoeiramentos, além de algumas adequações no stock house e na área de corrida do Alto-Forno 2”, afirma Hélvio.

A expectativa é de que até junho o projeto seja concluído com a substituição total do coque pelo carvão vegetal.

Compartilhar:
Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Menu

Clique no botão de edição para alterar esse texto. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.