Revista Espaço

Ensino valorizado

Projetos de melhoria da educação em Timóteo surpreendem pela qualidade, originalidade e envolvimento das pessoas

19

Segundo Maria do Carmo, o prêmio motiva educadores a desenvolver conhecimentos e habilidades

No dia 10 de novembro, será divulgado o resultado da 11ª edição do Prêmio Fundação ArcelorMittal Acesita de Valorização da Educação de Qualidade. Segundo Marilene de Lucca Siqueira, gerente da área de Educação e Cultura da Fundação, a disputa está acirrada. “Os projetos estão cada vez melhores. Percebemos a evolução dos profissionais na aplicação da metodologia de solução de problemas em trabalhos voltados para os mais variados temas”, comenta.

O prêmio busca estimular, apoiar e reconhecer as melhores práticas de gestão planejadas e implantadas pelas escolas públicas, conforme o método PDCA. Do inglês, a sigla PDCA significa Planejar, Executar, Checar e Agir (Plan, Do, Check e Act). Trata-se de uma ferramenta de qualidade que estabelece quatro etapas para o ciclo de gestão de projetos: planejamento e definição de metas e procedimentos; execução; verificação dos processos e resultados; correção de eventuais desvios, continuidade e aprimoramento das ações. O prêmio também valoriza os profissionais com expressiva atuação na gestão do ensino público na cidade.

“Ao longo do processo, realizamos uma oficina de padronização, com o objetivo de garantir a perenidade das ações e a sistematização dos procedimentos para possibilitar o compartilhamento de boas práticas entre as escolas”, acrescenta Marilene.

Para a secretária de Educação de Timóteo, Maria do Carmo Dias Lima, o prêmio motiva os profissionais da educação a desenvolver conhecimentos e habilidades. “Trata-se de uma iniciativa que vem ao encontro dos objetivos da secretaria, na busca por um novo olhar sobre a educação e o cenário social do nosso município”, destaca.


Soluções sob medida

Treze escolas de Timóteo concorrem nas categorias 1 (Educação Infantil e 1º ao 5º ano) e 2 (6° ao 9° ano, Ensino Médio, EJA e Apae). Conheça, abaixo, as instituições concorrentes, projetos e metas para 2009:

E.E. Getúlio Vargas: Colcha de retalhos – reduzir em 50% o número de ocorrências

E. M. Ana Moura: Ajustamento de aprendizagem – aumentar para 70% o número de alunos com resultado acima da média

E. M. Joaquim Ferreira de Souza: Literatura em movimento – reduzir em 40% o número de alunos com defasagem em leitura

E.M. José Moreira Bowen: Conviver – reduzir em 50% o número de ocorrências por indisciplina

E.M. Virgínia de Souza Reis: Do texto ao contexto – elevar de 35,4% para 75% o êxito de alunos do 5º ano em relação à interpretação de textos

E. M. Cecília Meireles: Espalhando o verde, embelezando a escola e ampliando o espaço alfabetizador – transformar o ambiente ocioso em um espaço pedagógico

E. M Monteiro Lobato: Quem canta as dificuldades espanta – aumentar a capacidade de concentração dos alunos

E.E. João Cotta F. Barcelos: Descobrindo os benefícios da pontualidade – reduzir em 85% o número de alunos com comprometimento de horários na escola

E. E. Juscelino K de Oliveira: JK uma família pela educação – aumentar em, no mínimo, 40% o número de alunos que fazem atividades escolares

E. M. Limoeiro: Xadrez na escola – aumentar em 25% o desempenho dos alunos na resolução de problemas matemáticos

Escola Especializada CreSer Apae: Ação consciente, futuro da gente – otimização do uso de recursos naturais e materiais da instituição com redução de perdas/consumo em 10%

Educação de Jovens e Adultos: aumentar em 15% o número de alunos com média superior

CEFET: Vitrine – aumentar a taxa de adesão ao vestibular em 15%.

Compartilhar: