Revista Espaço

Consciência é a melhor brigada

Redução de queimadas durante a seca garante crescimento das árvores de espécies nativas plantadas em Timóteo

A comparação impressiona. Nos primeiros meses do ano passado, as áreas de vegetação queimada em Timóteo chegaram a 20 hectares. Em 2009, ao final do mesmo período, menos de seis hectares haviam sido alcançados pelo fogo. Esse resultado é fruto dos esforços empreendidos pela ArcelorMittal Inox Brasil e diversos parceiros para evitar queimadas na região. A base do trabalho é a conscientização dos moradores.

Só este ano, 9,1 mil alunos das redes pública e particular de Timóteo receberam material informativo da Campanha de Combate a Incêndios Florestais, promovida pela Empresa. “Não podemos descuidar. A tendência é fecharmos o ano com um índice pluviométrico maior do que o de 2008, porém com chuvas mais concentradas e períodos de estiagem mais severos”, alerta Luiz Antônio Ferreira, assistente administrativo do Departamento de Meio Ambiente da Fundação ArcelorMittal Acesita.

As ações incluem a manutenção dos aceiros construídos em 2008, o recadastramento de aproximadamente 1,8 mil residências próximas às áreas monitoradas e as atividades da Rede de Vizinhança, formada por 60 pessoas preparadas para serem multiplicadoras das informações sobre formas de preservação ambiental. A colaboração dos moradores é fundamental para a prevenção e controle de incêndios. Por meio de ligações gratuitas para o telefone 0800 286 7002, a população pode informar sobre qualquer ameaça de fogo. Quanto mais rápido o incêndio for contido, menor o estrago.


Bolsão de Mata Atlântica

22

Luiz no viveiro de mudas do Oikós. Cada espécie exige condições específicas para crescer

Dos 14.399 hectares que compõem o município de Timóteo, 12.139 hectares (84%) são formados por reservas de Mata Atlântica – 2.504 hectares pertencem à ArcelorMittal Inox Brasil, 4.535 constituem Área de Proteção Ambiental (Apa) e 5.100 fazem parte do Parque Estadual do Rio Doce. A cidade ostenta o invejável índice de 1.044 metros quadrados de mata por habitante.

As ações de recuperação dessas áreas serão favorecidas pelo convênio com o Projeto de Proteção da Mata Atlântica (Promata-MG), que prevê o plantio de 30 mil mudas de 50 espécies nativas variadas até o final de 2009. A iniciativa contempla 20 hectares do bairro Santa Maria, 17 ha do bairro Bandeirantes, 16 ha da área atrás da rodoviária e próxima à sinterização da Usina, e 8,6 ha do bairro João XXIII, além da conclusão do trabalho já iniciado no bairro Vale Verde.

Luiz Antônio Ferreira explica ainda que para realizar o plantio é preciso observar as proporções recomendadas para o equilíbrio entre espécies classificadas como pioneiras, secundárias ou clímax. “As pioneiras, como jacarandá branco, ipês e pau-jacaré, são mais resistentes ao sol e devem representar 65% do total de mudas plantadas. As secundárias, como angico e paineira, já são um pouco mais exigentes com relação à exposição aos raios solares e somam 30% do plantio. E as chamadas clímax, como o jequitibá, o jatobá e o ipê rosa, são bem mais frágeis e precisam de muita sombra para crescerem e representam 5% do total de mudas. Para que essa distribuição seja feita, um mapa do plantio indica as proporções ideais para o bom desenvolvimento das mudas”, ensina.


23

Compartilhar:
Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Menu

Clique no botão de edição para alterar esse texto. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.