Revista Espaço

Nova administração

Início do processo de reconfiguração da ArcelorMittal Inox Brasil dinamiza estrutura e simplifica processos

O ambiente corporativo exige respostas rápidas às movimentações do mercado. Para ajustar sua estrutura ao atual cenário siderúrgico mundial, a ArcelorMittal Inox Brasil mudou a forma de gerenciar seus processos. Entre as novidades, destaca-se a reorganização da Diretoria Comercial e de Serviços. Em função da abrangência e complexidade que esses processos vêm assumindo, e também devido às exigências do mercado, foram criadas duas novas diretorias para essas atividades: a Diretoria Comercial e a Diretoria de Transformação e Distribuição, cujos titulares são, respectivamente, Frederico Ayres de Lima e Guy Broutechoux. As diretorias de Produção, Técnica e Financeira continuarão sob responsabilidade de Clênio Guimarães, Frédéric Midy e Guy Broutechoux, respectivamente.

Ligado diretamente à presidência, Ilder Camargo assume a gerência geral de Recursos Humanos, cujo escopo também engloba os processos de Comunicação, Saúde e Segurança, Aceprev (previdência privada) e Fundação ArcelorMittal Acesita. Ilder Camargo também assume a responsabilidade pela Saúde e Segurança de todo o segmento de aços inoxidáveis (Stainless), e reportará as questões relativas  à área diretamente ao CEO (Chief Executive Officer) do setor inox, Jean-Yves Gilet.

Duas outras gerências gerais receberam novos titulares: Eduardo Brito assume a gerência geral de Estudos e Projetos, ligada à presidência. Airton Carvalho responde agora pela gerência geral de Negócios de Aços Elétricos e Carbono, subordinada à Diretoria Comercial. Finalmente, as gerências de Altos-Fornos foram unificadas, assim como ocorreu com as gerências de Manutenção. As mudanças promoverão mais autonomia para as lideranças, garantindo novas perspectivas de gestão.

Lutiês da Laminação

6

Rafael ‘toca a guitarra’ com o grupo de CCQ Força Jovem

Lutiê é o nome que se dá ao profissional especializado na construção de instrumentos, seja de corda, arco, sopro ou percussão. O Grupo de Círculo de Controle de Qualidade (CCQ) Força Jovem demonstrou habilidade de lutiê e afinação digna de banda musical para solucionar um problema na Laminação de Aços Elétricos. Apelidada de guitarra por apresentar formato semelhante ao do instrumento, uma ferramenta criada pelo grupo substituiu a solda TIG para emenda de chapas no Tandem 1. O resultado foi tão bom que a prática foi replicada para outros três equipamentos e a ArcelorMittal Vega já se interessa em ‘tocar essa guitarra’ em seu processo.

Antes do Projeto Guitarra, o serviço era executado por um soldador externo, levava cerca de 1h30 e era realizado em posição pouco ergonômica. “Agora, nosso próprio operador realiza o trabalho em apenas 15 minutos”, conta Rafael Silva Teixeira, inspetor de Produto, líder do grupo e guitarrista de verdade. Em seis meses de aplicação do projeto, foram contabilizadas 47 horas a mais de disponibilidade do Tandem 1. Outra vantagem é a abrangência do projeto, que pode ser estendido para qualquer linha contínua que trabalhe com chapas. “O resultado, em termos de segurança e qualidade do produto final, é melhor do que o da solda TIG”, acrescenta Rafael, que destaca a colaboração dos grupos de CCQ Baixa Perda, Silinor e Corujaço, e do assistente técnico Rangel Martins Vidal.

Compartilhar:
Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Menu

Clique no botão de edição para alterar esse texto. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.