Revista Espaço

Nova administração

Início do processo de reconfiguração da ArcelorMittal Inox Brasil dinamiza estrutura e simplifica processos

O ambiente corporativo exige respostas rápidas às movimentações do mercado. Para ajustar sua estrutura ao atual cenário siderúrgico mundial, a ArcelorMittal Inox Brasil mudou a forma de gerenciar seus processos. Entre as novidades, destaca-se a reorganização da Diretoria Comercial e de Serviços. Em função da abrangência e complexidade que esses processos vêm assumindo, e também devido às exigências do mercado, foram criadas duas novas diretorias para essas atividades: a Diretoria Comercial e a Diretoria de Transformação e Distribuição, cujos titulares são, respectivamente, Frederico Ayres de Lima e Guy Broutechoux. As diretorias de Produção, Técnica e Financeira continuarão sob responsabilidade de Clênio Guimarães, Frédéric Midy e Guy Broutechoux, respectivamente.

Ligado diretamente à presidência, Ilder Camargo assume a gerência geral de Recursos Humanos, cujo escopo também engloba os processos de Comunicação, Saúde e Segurança, Aceprev (previdência privada) e Fundação ArcelorMittal Acesita. Ilder Camargo também assume a responsabilidade pela Saúde e Segurança de todo o segmento de aços inoxidáveis (Stainless), e reportará as questões relativas  à área diretamente ao CEO (Chief Executive Officer) do setor inox, Jean-Yves Gilet.

Duas outras gerências gerais receberam novos titulares: Eduardo Brito assume a gerência geral de Estudos e Projetos, ligada à presidência. Airton Carvalho responde agora pela gerência geral de Negócios de Aços Elétricos e Carbono, subordinada à Diretoria Comercial. Finalmente, as gerências de Altos-Fornos foram unificadas, assim como ocorreu com as gerências de Manutenção. As mudanças promoverão mais autonomia para as lideranças, garantindo novas perspectivas de gestão.

Lutiês da Laminação

6

Rafael ‘toca a guitarra’ com o grupo de CCQ Força Jovem

Lutiê é o nome que se dá ao profissional especializado na construção de instrumentos, seja de corda, arco, sopro ou percussão. O Grupo de Círculo de Controle de Qualidade (CCQ) Força Jovem demonstrou habilidade de lutiê e afinação digna de banda musical para solucionar um problema na Laminação de Aços Elétricos. Apelidada de guitarra por apresentar formato semelhante ao do instrumento, uma ferramenta criada pelo grupo substituiu a solda TIG para emenda de chapas no Tandem 1. O resultado foi tão bom que a prática foi replicada para outros três equipamentos e a ArcelorMittal Vega já se interessa em ‘tocar essa guitarra’ em seu processo.

Antes do Projeto Guitarra, o serviço era executado por um soldador externo, levava cerca de 1h30 e era realizado em posição pouco ergonômica. “Agora, nosso próprio operador realiza o trabalho em apenas 15 minutos”, conta Rafael Silva Teixeira, inspetor de Produto, líder do grupo e guitarrista de verdade. Em seis meses de aplicação do projeto, foram contabilizadas 47 horas a mais de disponibilidade do Tandem 1. Outra vantagem é a abrangência do projeto, que pode ser estendido para qualquer linha contínua que trabalhe com chapas. “O resultado, em termos de segurança e qualidade do produto final, é melhor do que o da solda TIG”, acrescenta Rafael, que destaca a colaboração dos grupos de CCQ Baixa Perda, Silinor e Corujaço, e do assistente técnico Rangel Martins Vidal.

Compartilhar: