Revista Espaço

Maturidade aos 15

Neste aniversário, a Fundação ArcelorMittal Acesita celebra a construção de um modelo de atuação eficaz para o desenvolvimento social

21

Melhoria da qualidade de ensino é um dos objetivos da Fundação. Na foto, Claudinéia Amaral, aluna da E. E. João Cotta Figueiredo Barcelos

Em 14 de junho de 1994, a ArcelorMittal Inox Brasil plantou em Timóteo uma semente que carregava o dom de germinar. Daqueles pequenos ramos surgiram galhos firmes, que se entrelaçavam e, aos poucos, modificavam sua própria estrutura e todo o ambiente ao redor. Hoje, ao completar 15 anos, a Fundação ArcelorMittal Acesita é uma frondosa árvore de transformação social, cuja sombra já alcança o Vale do Jequitinhonha e cujos frutos beneficiam cada vez mais pessoas.

A história da Fundação, do ponto de vista de seu presidente, Anfilófio Salles Martins, está delimitada em três tempos: 1994-2000; 2000-2005; e de 2005 até os dias de hoje. Logo após a privatização, entre 1994 e 2000, a Empresa criou a instituição, equipou-a, investiu na elaboração de instrumentos, estabeleceu parcerias e implementou projetos estratégicos. Foram criados a Agência de Desenvolvimento de Timóteo (ADT), o Centro Cultural e o Instituto do Inox.

De 2000 a 2005, acompanhando a evolução do pensamento sobre a responsabilidade social empresarial, a Fundação passou a atuar como verdadeira agente de desenvolvimento, com foco na chamada cidadania emancipada. “A Empresa decidiu deixar de ser geradora de emprego para se tornar geradora de riqueza. Passamos então a estimular a gestão, a capacitação, o conhecimento e a profissionalização de instituições públicas e privadas. O incentivo ao empreendedorismo cria uma nova perspectiva e oferece às pessoas e às instituições a chance de planejar seu futuro”, recorda Salles.

Nesse período, o Instituto do Inox e a ADT, por meio de seus cursos, fomentaram o mercado regional de tecnologia, produtos e serviços ligados ao material. Surgiram então diversas empresas voltadas para o segmento, o que impulsionou o projeto Timóteo Capital do Inox, lançado em 1997, com o objetivo de fazer da cidade um grande centro fabricante de produtos a partir do aço inoxidável.

Formato azeitado

22

Neide Regina da Silva, diretora da E. E. Tenente José Luciano, recebe livro do diretor de Produção, Clênio Guimarães

A partir de 2005, a Fundação ampliou seu escopo de atuação. Além dos municípios da Região Metropolitana do Vale do Aço, onde vivem 500 mil pessoas, a entidade passou a atender também às seis cidades situadas na área de influência da ArcelorMittal Jequitinhonha (Turmalina, Capelinha, Veredinha, Minas Novas, Itamarandiba e Carbonita), que reúnem 130 mil habitantes. A Empresa produz naquela região carvão vegetal (fonte de energia renovável) para abastecer a Usina Siderúrgica.

Ainda segundo Salles, o momento atual é marcado também pela alta representatividade da Empresa, via Fundação, junto às comunidades; pelas melhorias ambientais proporcionadas pelo Programa de Gestão de Áreas Verdes; pelas ações de estímulo ao empreendedorismo jovem; pelo apoio contínuo à formação profissional de empregados e familiares; pela qualidade de vida na terceira idade; e pela articulação cada vez mais intensa com instituições, tais como: Associação Junior Achievement, serviços nacionais de aprendizagem Industrial (Senai) e Rural (Senar), Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), Centro Federal de Educação Tecnológica (Cefet), Prefeitura de Timóteo e Governo de Minas Gerais e outros órgãos. “Ao longo desses 15 anos, a Fundação vem tecendo uma verdadeira rede de colaboração para o desenvolvimento sustentável”, completa Salles.

23

Salles no lançamento do livro: “Queremos que essa obra torne-se uma efetiva fonte de consulta

Tendo a educação como foco principal de atuação, a partir deste ano, esforços diferenciados estão sendo direcionados para duas escolas de Timóteo como forma de torná-las modelos de educação e qualidade do ensino: Escola Estadual Professora Ana Letro Staacks e Escola Estadual João Cotta Figueiredo Barcelos.

A instituição também procura trabalhar esse tema de forma transversal nas atividades de meio ambiente, promoção social, cultura e capacitação profissional. Coral Infantil, combate às drogas, democratização da arte e do esporte, por exemplo, são vertentes de atuação associadas à área educacional. “Para minha filha Júlia, o coral Meninas Cantoras teve um impacto muito positivo em termos de comportamento, atenção e autoestima. Acredito muito no poder da arte para a formação humana. Os profissionais da Fundação são verdadeiras referências para esses jovens”, emociona-se Patrícia Nunes Silva Elias.

Tecendo o futuro

24

Fachada da Fundação ArcelorMittal Acesita, em Timóteo

Para comemorar este aniversário, o lançamento do livro Timóteo – Um município brasileiro encerrou a programação do Dia Mundial do Meio Ambiente, 5 de junho, no Centro Cultural da Fundação. A publicação é um presente da ArcelorMIttal Inox Brasil à cidade, que completou 45 anos no dia 29 de abril. Com tiragem de dez mil exemplares, o livro contou com a colaboração de pessoas da comunidade, que compartilharam documentos e memórias para o resgate da história de Timóteo e será distribuído às escolas públicas e privadas do município.

Um planejamento de aulas, com orientações sobre como trabalhar cada capítulo e sugestões de atividades para aproveitar ao máximo seu conteúdo, será oferecido aos professores. “Queremos que essa obra torne-se uma efetiva fonte de consulta para estudantes, educadores e a comunidade em geral”, afirma Salles.

Compartilhar:
Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Menu

Clique no botão de edição para alterar esse texto. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.