Revista Espaço

Pilotagem segura

Motociclistas da ArcelorMittal Timóteo participam de curso de qualificação sobre direção defensiva e tráfego

7

Mais do que habilidade, a execução de uma manobra sobre duas rodas exige perícia, raciocínio rápido e conhecimento. Com concentração e domínio das técnicas de condução, o piloto é capaz de antever situa- ções de risco e tomar decisões conscientes. É por isso que empregados da ArcelorMittal Timóteo estão participando do Curso de Qualificação de Motociclistas, realizado por meio da parceria entre a Empresa, a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa) e a loja Mavimoto.

Desde março, motociclistas que circulam na área da Usina assistem às aulas teóricas e também práticas. A previsão é de que cerca de 1,2 mil pessoas sejam qualificadas até o final de 2009. O diretor de Produção da ArcelorMittal Inox Brasil, Clênio Guimarães, fez a abertura da aula inaugural, que aconteceu no início de março. “Buscamos uma mudança no comportamento para que todos tenham uma atitude prudente e técnica ao dirigir uma motocicleta”, ressaltou.

Willian de Maria Carvalho, presidente da Cipa, conta que a iniciativa foi motivada pelo crescimento substancial de motocicletas no trânsito urbano. “Esse fato provocou um aumento no número de acidentes envolvendo motociclistas. O curso evidencia a preocupação da ArcelorMittal Inox Brasil com a saúde e segurança dentro e fora da Empresa”, afirma Willian.

“A criação dessa pista para disseminar a educação no trânsito era um sonho antigo. A maior satisfação será verificar, daqui a algum tempo, a redução no número de acidentes com motociclistas”, almeja Carlos Magno Barbosa, diretor executivo da Mavimoto. Ele acrescenta que o curso é aberto à comunidade e está sendo viabilizado também em parceria com outras instituições, como a Polícia Militar de Ipatinga e João Monlevade.

Máquina limitada

Durante as cinco horas de treinamento, os participantes têm a oportunidade de aprender técnicas de direção defensiva, conceitos sobre o tráfego e procedimentos específicos para a condução de motos. Marcos Sávio, assistente técnico da Engenharia, pilota motocicletas há mais de 30 anos e recomenda o curso para veteranos e iniciantes. “O conteúdo é abrangente, a carga horária adequada e o ambiente agradável. Além das orientações teóricas sobre postura, atitudes no trânsito e equipamentos de proteção, a parte prática ajuda os condutores a aprender a andar com cuidado. Na verdade, muitos motociclistas correm porque não têm controle do veículo em baixa velocidade”, diz.

Um dos erros mais comuns diz respeito ao uso dos freios. É preciso ter atenção ao tempo que se leva entre observar o obstá- culo e acionar o comando até a parada total do veículo. Os freios devem ser acionados simultaneamente, de forma progressiva, na proporção de 60% para o dianteiro e 40% para o traseiro. Quanto maior a velocidade, maior deve ser o percentual de uso do freio dianteiro em relação ao traseiro.

A postura também é fundamental no momento da frenagem, pois o corpo do condutor é projetado para frente. Esse movimento deixa a traseira leve, o que pode ocasionar a ‘rabeada’ que joga a pessoa no chão. “O importante é conhecer e respeitar os limites da motocicleta”, alerta Carlos.

Arthur Machado, analista técnico da gerência de Geração e Distribuição de Fluidos, pratica motociclismo esportivo e aprova a iniciativa da Empresa. “Já participei de outros cursos e essa foi uma oportunidade de reciclar meus conhecimentos. Da manutenção do equipamento ao domínio das técnicas de pilotagem, o conteúdo foi muito proveitoso”, destaca.

Compartilhar:
Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Menu

Clique no botão de edição para alterar esse texto. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.