Revista Espaço

Rumo ao acidente zero

Certificação e recordes de segurança: conquistas são fruto de política integrada, que conjuga ações em diversas frentes e promove mudança de comportamento na ArcelorMittal Inox Brasil

12

A prática diária da ginástica laboral demonstra a preocupação da ArcelorMittal Inox Brasil com a saúde dos empregados

A planta siderúrgica da ArcelorMittal Inox Brasil, em Timóteo (MG), acaba de dar mais um passo à frente com a certificação na norma internacional OHSAS 18001 (OHSAS 18001 – sigla em inglês para Occupational Health and Safety Assessment Series, que pode ser traduzida como ‘Séries de Avaliação de Saúde e Segurança Ocupacional’. A norma registra os requisitos necessários para garantir a gestão da segurança e da saúde ocupacional dos empregados. A partir da implantação do sistema e do comprometimento da equipe, é possível reduzir o número de acidentes e doenças do trabalho.). Além dos consecutivos recordes de segurança, a Empresa encerrou 2008 com outro resultado inédito: zero acidente com perda de tempo (CPT) e sem perda de tempo (SPT) em todas as suas unidades no mês de dezembro.

Até o fechamento desta edição da Revista Espaço, no dia 4 de fevereiro, a ArcelorMittal Timóteo e suas empresas prestadoras de serviços completaram 131 dias sem nenhum tipo de acidente. A marca corresponde a 3,8 milhões de homens/hora trabalhadas sem nenhuma ocorrência, e é um dos melhores resultados da siderurgia brasileira. O recorde anterior foi registrado entre 9 de agosto e 17 de outubro de 2006, quando a planta industrial acumulou 70 dias sem acidentes. Desde que superou essa referência, em 6 de dezembro último, a cada 24 horas sem acidentes, a Companhia comemora um novo marco histórico.

Somados à certificação, os recordes comprovam a eficácia do sistema de Gestão da Saúde do Trabalhador (GST), adotado pela empresa desde 1990, e o sucesso do conjunto de medidas, treinamentos e programas colocados em prática nos últimos anos. “Trata-se realmente de um marco. É um novo patamar que alcançamos. Essa conquista demonstra como, para todos nós, a saúde e a segurança são prioridades absolutas. Zero acidente é nossa meta permanente”, ressalta o presidente Paulo Magalhães.

Para o diretor de Produção, Clênio Guimarães, “os treinamentos e as ferramentas de saúde e segurança são fundamentais, mas não trariam resultado algum sem o envolvimento de todos os empregados”. O diretor destaca também o forte comprometimento das lideranças. “Os gerentes e supervisores acompanham as ações de segurança com prioridade e procuram ser exemplo de comportamento seguro no dia-a-dia”, constata.

Em processo de melhoria contínua, a GST passou por adequações para atender às exigências da OHSAS 18001, em um trabalho minucioso iniciado em 2005. O gerente de Saúde e Segurança, Charles Alvenir, afirma que o alinhamento da GST à norma OHSAS 18001 permitiu sistematizar as práticas de gestão e confirmou a sustentação do modelo sobre uma base adequada para suportar o gerenciamento da rotina de trabalho. “O engajamento de todos foi fundamental para o sucesso na certificação. Destacamos também o envolvimento e a aplicação das empresas prestadoras de serviços em todas as fases do projeto, além das ações pró-ativas na prevenção de acidentes. Sabemos que temos muito a melhorar, mas conhecemos o caminho para chegar à excelência, ou seja, ao zero acidente. A rota a percorrer está delineada. As práticas foram testadas e aprovadas. Cabe a nós utilizar as práticas da GST orientados por seus padrões de trabalho”, reforça Charles.

Ele conta que as evidências de que a segurança é um valor coletivo na ArcelorMittal Inox Brasil estão por toda parte. “Durante o processo de certificação da OHSAS, os próprios empregados se apresentavam aos auditores para serem avaliados, tamanha a autoconfiança”, relata. Ivana Coelho, gerente de Melhoria Contínua e Qualidade, destaca que o trabalho dos analistas da Qualidade e dos auditores internos foram vitais no processo. “Para a certificação, não basta ter uma atuação segura, é preciso registrá-la e comprová-la”, observa.

13

Em reconhecimento à conquista, equipe da área de Saúde e Segurança recebeu o prêmio Escultores do Amanhã

Vitória merecida

Além de manter a conformidade com as normas internacionais nas quais a Empresa já é certificada, como a ISO 9001, ISO/TS 16949, ISO 14001 e ISO/IEC 17025, as adequações da GST para atendimento à OHSAS foram conduzidas em sintonia com o Sistema Integrado da Qualidade (SIQ).

Em maio de 2008, a Empresa passou pela primeira avaliação de conformidade legal. Entre junho e julho, um diagnóstico revelou as oportunidades de melhoria. No mês de outubro, a auditoria de pré-certificação apontou as últimas questões que deveriam ser corrigidas. Entre os dias 15 e 19 de dezembro, a auditoria final confirmou a recomendação da ArcelorMittal Timóteo para certificação segundo a norma internacional.

Para Charles Alvenir, a certificação na norma e os recordes consecutivos de segurança representam o coroamento da atuação da Empresa, assim como de sua própria carreira. “Após mais de 30 anos de trabalho dedicado a esta casa, sintome orgulhoso de poder ter contribuído para os resultados conquistados, com o sentimento do ‘dever cumprido’, fazendo a transição de forma sólida. Como nos tornamos referência mundial em saúde e segurança, estamos deixando a ‘estrada pavimentada’ para a perenidade e melhoria dos atuais resultados”, diz o gerente de Saúde e Segurança, que está se desligando da ArcelorMittal Inox Brasil para se dedicar a novos desafios de vida.

Os números falam

O recorde de zero acidente em todas as unidades que compõem a ArcelorMittal Inox Brasil, alcançado em dezembro, abrange as atividades de aproximadamente 5,5 mil empregados e 2 mil prestadores de serviços. Esse universo envolve os centros de serviços, a usina siderúrgica em Timóteo, as unidades de fabricação de tubos e o complexo de produção de carvão vegetal no Vale do Jequitinhonha, além dos escritórios administrativos e comerciais.

Essas notícias ganham ainda mais relevância quando associadas a outro dado, que coloca a ArcelorMittal Inox Brasil em posição de destaque no Grupo. Em 2008, além da redução do número de acidentes em relação ao ano anterior, a Empresa obteve uma das menores taxas de frequência entre as unidades do Grupo ArcelorMittal. Segundo o critério europeu, o índice caiu de 1,36, em 2007, para 0,62, em 2008 (empregados próprios e prestadores de serviços). No critério brasileiro, que leva em conta acidentes com ou sem perda de tempo (CPT e SPT), a redução na Taxa de Frequência de 2007 para 2008 foi de 40%, passando de 4,59 para 2,75.

“Ainda mais importante foi a diminuição da gravidade das ocorrências. Os empregados que se acidentaram tiveram lesões leves, resultando em períodos de afastamento menores”, observa Charles. A Taxa de Gravidade passou de 124, em 2007, para 12, em 2008.

Evolução

Essas conquistas não são creditadas a uma ação específica, mas a um conjunto de práticas em constante evolução. O acompanhamento das lideranças, por meio de auditorias diárias, a disponibilidade dos técnicos de segurança nas áreas em tempo integral; os treinamentos e o engajamento dos empregados e prestadores de serviços em ferramentas comportamentais, como a Tolerância Zero e a Vigilância Compartilhada; o fortalecimento do papel da supervisão na condução dos assuntos de saúde e segurança; e a atuação diferenciada da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa) foram fundamentais para a excelente performance observada nos últimos meses. “As orientações corporativas e as trocas de boas práticas com outras unidades foram também determinantes para os bons resultados”, acrescenta Charles.

Compartilhar: