Revista Espaço

Legado que não se perde

Resultados do projeto Movimento Cidadania Responsável são celebrados
com emoção na Fundação Aperam Acesita

Os jovens participantes do MovimentoCidadania Responsável celebram os resultados alcançados pela iniciativa

Após dez meses de atividades, chega ao fim o projeto Movimento Cidadania Responsável – Jovens Transformadores, realizado pela Fundação Aperam Acesita e parceiros. O evento de encerramento ocorreu em março, no teatro da Fundação, em Timóteo, reunindo os 50 jovens participantes, seus familiares, parceiros e outros convidados.

O Movimento Cidadania Responsável proporcionou aos seus integrantes – jovens com habilidades de liderança – a oportunidade de participar de atividades relacionadas a quatro eixos: valorização da vida, consciência política, trânsito e meio ambiente. Os jovens participaram de oficinas, palestras e workshops de formação, com ações que se desdobraram na própria comunidade – como no caso da blitz do trânsito seguro – ou em visitas a instituições, como a Associação dos Catadores de Materiais Recicláveis de Timóteo (Ascati).

Para quem acompanhou o movimento desde o início, ver a transformação efetiva proporcionada aos participantes junto à comunidade é motivo de orgulho. É o que garante o presidente da Fundação Aperam Acesita, Venilson Araujo Vitorino. “A oportunidade de realizar este projeto surgiu durante reuniões com representantes dos mais diversos setores de atuação, quando vimos que era unânime o desejo de trabalhar a conscientização para a cidadania”, relembra. Ao longo de quase um ano, as atividades empreendidas pelos jovens engajados no programa desenvolveram mais de 50 ações que beneficiaram cerca de 15 mil pessoas. Além disso, nas redes sociais, na página do Movimento, alcançaram cerca de 100 mil pessoas.

“São nítidos o empoderamento e a consciência de cidadania despertados nesses jovens, que estão prontos para compartilhar o que aprenderam e seguir fazendo a diferença em suas comunidades”, afirma.

Aprendizado É PARA SEMPRE

Entre os integrantes do movimento estava Ewandro Luciano Souza, de 18 anos, que garante ter vivido uma real transformação no modo como vê o mundo. Morador do município de Santana do Paraíso, a uma hora e meia de Timóteo, ele conseguiu conciliar sua rotina para fazer parte do projeto: frequentava as aulas do terceiro ano do Ensino Médio pela manhã e do curso de Manutenção Mecânica do Senai à tarde, mas conseguiu encaixar as atividades do Cidadania Responsável na agenda. “Tinha uma ideia do que seriam as atividades no começo, mas foi muito além do que imaginava. Ao meu ver, eu iria ajudar os outros e transmitir coisas boas para a sociedade. Mais que isso, eu me transformei e aprendi a cada dia com as pessoas”, relata.

No último eixo, dedicado ao meio ambiente, por exemplo, a oportunidade de visitar a Ascati proporcionou a Ewandro um novo entendimento sobre o lixo gerado no cotidiano. “Uma caixa de leite que jogamos fora, mas poderia ser reciclada, gera um grande reflexo negativo no futuro”, exemplifica.

Da cerimônia de encerramento, não se esquecerá do muito obrigado dito pelas crianças da Casa Lar(A Casa Lar, situada em Timóteo, abriga crianças em situação de vulnerabilidade social.). ”Estávamos à frente da organização do evento e pensamos que o roteiro se restringia ao que havia sido planejado por nós. Foi uma surpresa ver aquelas crianças ali. O reconhecimento delas me deu a certeza de que havíamos de fato feito a diferença”, conclui.

Atualmente, a possibilidade de realizar uma nova edição do projeto está sendo avaliada pela Fundação

Compartilhar: