Revista Espaço

Dê ouvidos à sua saúde

Cada vez mais comuns entre pessoas de diferentes idades, doenças auditivas podem ser prevenidas com pequenos
cuidados na rotina

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), 360 milhões de pessoas têm problemas auditivos em todo o mundo. O distúrbio pode ser causado por vários fatores: predisposição genética, doenças infecciosas, uso de determinados medicamentos e drogas, envelhecimento e exposição excessiva a ruídos.

A exposição a sons em alta intensidade durante um longo período de tempo, seja no ambiente de trabalho, em shows, durante o uso de fones de ouvido ou o som automotivo, por exemplo, podem causar a perda irreparável da audição, com a lesão das células ciliadas que ficam no interior do ouvido. Com a capacidade reduzida de captar e transmitir sons ao cérebro, a perda acontece de forma gradual e irreversível.

Um desafio para quem sofre desse mal é se dar conta de que está perdendo sua capacidade de ouvir. ” No início, diminui a percepção para sons de alta frequência, ou seja, os mais agudos. Por não usarmos essas frequências na conversação, não nos damos conta de que a audição está sendo comprometida”, destaca a fonoaudióloga da Aperam, Denise Navarro Silveira.

Prevenir é o melhor remédio

Uma das mais importantes medidas é redobrar a atenção à exposição contínua a sons muito altos. Um levantamento feito pela OMS em 2015 constatou que mais de 1 bilhão de jovens, com idade entre 12 e 35 anos, podem perder a audição devido ao uso incorreto de dispositivos de som e à permanência em locais muito barulhentos. Por isso, o recomendado é não exceder 90 minutos de uso desses aparelhos; e não se submeter a volumes de som que o impeçam de escutar o que se passa no ambiente.

Compartilhar: