Revista Espaço

Fontes que renascem

Capacitações ofertadas pela BioEnergia possibilitaram a recuperação de 25 nascentes na região do Vale do Jequitinhonha

Cursos de recuperação de nascentes ofertados no Vale do Jequitinhonha em 2016 contaram com parte teórica e atividades em campo (foto). Expectativa é de que novas turmas sejam abertas em 2017

Em 2017, o dia 22 de março ganhará um novo significado para moradores das comunidades de Itamarandiba, Minas Novas, Tur-malina e Capelinha, no Vale do Jequitinhonha. Depois de um longo período de seca, eles poderão celebrar, no Dia Mundial da Água( A data foi estipulada pela Organização das Nações Uni-das (ONU) com o objetivo de alertar para a necessidade de preservação do recurso, estimulando a reflexão e a conscientização das pessoas, além da adoção de medidas efetivas para minimizar a escassez), a recuperação de cerca de 25 nascentes da região. O resultado foi alcançado após a oferta do curso de recuperação de nascentes pela Aperam BioEnergia, que, em parceria com o Serviço Nacio-nal de Aprendizagem Rural de Minas Gerais (Senar), beneficiou aproximadamente 200 pessoas ao longo de 2016.

De acordo com a assistente técnica de Meio Ambiente da Aperam BioEnergia, Vanessa Silva, a oportunidade foi identi-ficada pelo Comitê Interno das Águas da Empresa(Criado em 2015, realiza ações de conscientização, mobilização, monitoramento e controle do uso da água, destinadas ao público interno e à comunidade. É forma-do por representantes de áreas diversas da BioEnergia, como Carvão e Silvicultura, entre outras). Ele estava em busca de uma iniciativa que possibilitasse a preservação do recurso e identificou no Senar o parceiro ideal para realizá-la. “A capacitação, adaptada pelo Senar para a realidade local, tem um primeiro conteúdo teórico, seguido pela parte prática, quando uma nascente de uso comunitário é escolhida e o conhecimento é aplicado naquele local”, explica Vanessa. Entre as técnicas utilizadas visando à proteção do espaço, estão a construção de estruturas para impedir a supressão de vegetação ou para resguardar a área da nascente, por exemplo.

O bom resultado alcançado, com o renascimento de fontes que já se encontravam praticamente secas, despertou o interesse até mesmo de comunidades vizinhas. “Pessoas que a princípio não haviam se interessado pelo curso passaram a procurar a Empresa, buscando informação sobre a iniciativa”, comenta Vanessa.

Em Timóteo, uma nascente situada em área vizinha ao Oikós também foi recuperada em 2016, em uma ação complementar ao monitoramento das nascentes que se encontram no interior do Centro de Educação Ambiental da Aperam. Neste mês de março, o curso do Senar será ofertado, por meio da parceria com a Empresa, a algumas entidades da região, como parte das comemorações ao Dia da Água.

 

Compartilhar: