Revista Espaço

Parceria rende mais que bons frutos

Os 238 cursos oferecidos pelo Senar em parceria com a Fundação Aperam Acesita já beneficiaram aproximadamente 3.500 pessoas ligadas direta ou indiretamente às atividades rurais

Aos 56 anos, o aposentado Robson Silva de Araújo e a esposa, Rosilene, encaram a cozinha juntos para colocar em prática uma das suas mais recentes habilidades: a preparação de geleias, doces em compotas e frutas cristalizadas. Eles participaram do curso oferecido pelo Serviço Nacional Rural (Senar), em cooperação com a Fundação Aperam Acesita, em Timóteo. A produção caseira sem fins comerciais é uma gentileza com a qual o casal presenteia parentes, amigos e vizinhos.

O curso “Trabalhador na Fabricação e Conservação/Compotas, frutos cristalizados, geleias e doce em pasta” compõe o rol de iniciativas que as duas instituições levam às comunidades da zona rural, há 12 anos. A coordenadora de projetos da Fundação, Juliana Jácome, explica que o trabalho colaborativo contempla dois eixos: Formação Profissional Rural e Promoção Social. O primeiro visa à qualificação, aperfeiçoamento, especialização e atualização do trabalhador. “É um processo educativo, não formal, participativo e sistematizado, que favorece a aquisição de conhecimentos, habilidades e atividades para o exercício de uma ocupação”, explica.

Na vertente da Promoção Social, o objetivo é possibilitar às pessoas ligadas, direta ou indiretamente, ao meio rural, o desenvolvimento de habilidades pessoais e sociais capazes de promover a mudança de atitudes para melhorar a qualidade de vida e ampliar a participação na comunidade rural.

Os cursos variados são oferecidos a cada quadrimestre, ao longo do ano. As demandas chegam de várias formas. “Como a Fundação está sempre presente na comunidade, por meio dos projetos, ações e eventos, somos referência para os líderes. Eles apontam a necessidade de cursos de qualificação, aperfeiçoamento ou de ações de promoção social. Levamos as propostas ao Senar, que avalia a possibilidade de atendimento”, explica Juliana.

Compartilhar: