Revista Espaço

Nas asas da literatura

Educadoras estimulam crianças a conhecerem o mundo dos livros

32

Cléria defende o papel da leitura na formação

Era uma vez um trio de supereducadoras que sempre viu na leitura uma aliada da educação infantil e um meio para formar cidadãos mais críticos. Mesmo fora da sala de aula, elas estimulam o contato entre as crianças e os livros.

Cléria Maria de Oliveira, Marisa Duarte e Walkiria Souza trabalharam na Escola Municipal Cecília Meireles, em Timóteo. Pouco antes de se aposentarem, em 2013, elas tiveram a ideia de promover a literatura infantil. “As crianças gostam de ouvir histórias, mas os pais e até as escolas não sabem incentivar. Tem muita biblioteca sem livros para esse público. Os livros infantis devem seguir características específicas, como a caixa alta e o uso extensivo de imagens”, avalia Cléria.

“A Fundação acredita na educação como elemento-chave para o desenvolvimento da sociedade. Com essas duas iniciativas esperamos auxiliar as pessoas a ter mais acesso ao conhecimento. “

Presidente da Fundação Aperam Acesita, Venilson Vitorino

A determinação e a boa vontade são os poderes do trio e impulsionaram a criação do projeto “Literatura na praça”. Todo sábado, elas levam caixas com alguns dos 350 livros infantis dos acervos pessoais para cinco praças da cidade. Junto com as publicações, prateleiras, tapete, mesa, notebook e uma mala de fantasias. “Os adereços e vestimentas atraem os pequenos. É um caminho para o mundo dos livros. Ao emprestar a fantasia sugerimos à criança que leia sobre aquele personagem”, conta.

Em 2014, cada sessão reuniu cerca de 100 leitores mirins e, este ano, após o apoio da Fundação Aperam Acesita na divulgação da atividade, a média subiu para 200 crianças. Além disso, a instituição contribuiu com a aquisição de materiais para aprimorar a atividade. As organizadoras já recebem pedidos da comunidade para ampliar o número de praças contempladas, mas a logística tem sido o vilão da história. “Temos de juntar o material, colocar no carro e levar. Hoje as despesas são custeadas por nós, o computador é emprestado. Sonho com o dia em que teremos uma Kombi personalizada”, projeta Cléria.

Mais de mil livros do acervo da Fundação Aperam Acesita foram doados ao município de Timóteo, em agosto. As publicações já integram o Centro de Artes e Esportes Unificado (Ceu), mais conhecido como praça Ceu, no bairro Vale Verde.33

Compartilhar: