Revista Espaço

O dinheiro nosso de cada dia

A Aperam, por meio da Fundação, oferece consultoria a empregados interessados em melhorar a gestão das finanças pessoais22

A chegada do fim do ano já desperta nas pessoas a atenção aos possíveis gastos extras gerados pelos eventos natalinos e de ano-novo, além das férias de verão. E o período também antecede uma fase marcada por despesas sazonais elevadas, como o pagamento de Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) e Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) e a compra de material escolar. Nesse cenário, o 13º salário ou o pagamento da Participação de Lucros e Resultados (PLR) podem ser a salvação, desde que a pessoa saiba planejar os gastos.

A primeira sugestão para aproveitá-lo bem consiste em identificar se há contas em atraso: luz, água, cartão de crédito, financiamento bancário etc. Se a resposta for sim, a recomendação é pagar todas as dívidas. “Quem tem pendências deve minimizar ou zerar o saldo negativo para ter um ano novo melhor”, explica Edmilson Lyra, presidente da Associação Brasileira de Educação Financeira, que atua em parceria com a Fundação Aperam Acesita no Programa de Gestão Financeira Familiar (PGF).

Mesmo que não haja dívidas, parte do 13° pode ser reservada para as demandas típicas de janeiro e fevereiro. “Desse modo, fica mais fácil honrar esses compromissos”, ressalta Edmilson. Para o especialista, uma boa prática é o uso de uma planilha, que indique todas as despesas fixas (contas de água, gás), variáveis (IPTU, IPVA, material escolar) e as receitas. “Com esse controle e um acompanhamento mensal, a gestão fica mais simples”, defende.


Ajuda especializada

O Programa de Gestão Financeira Familiar (PGF) da Aperam oferece consultoria a empregados que desejam orientações para manter as contas em dia. Desde 2008, mais de 270 empregados já receberam atendimento.

Na primeira etapa (preventiva), há uma palestra com especialista para orientar os participantes sobre a importância de gerenciar as finanças pessoais. Já o módulo curativo atende aqueles que apresentam situação financeira instável e oferece apoio na construção de um plano para organização e regularização de dívidas.

Jean Alves, técnico de Manutenção, participou da primeira turma do PGF. Segundo ele, o treinamento o ajudou a organizar as contas e a priorizar os gastos mais importantes. “Até hoje mantenho minhas planilhas atualizadas e minhas finanças estão sob controle”, conta.

No caso das famílias, a presença do cônjuge é obrigatória. “Uma família endividada só consegue sair dessa situação com o envolvimento de todos”, explica Vera Dutra, coordenadora de Projetos da Fundação.

Compartilhar: