Revista Espaço

Rumo ao hexa

Empregados da Aperam South America contam sobre as expectativas para a Copa do Mundo de 2014

Alguns dizem que domingo a tarde é momento para o futebol, outros que gostam de se arriscar nas quatro linhas reúnem os amigos para disputar uma partida na quinta-feira depois do trabalho. Já na casa da analista do Centro de Pesquisa da Aperam South America, Edna Leite Silva, o futebol domina as conversas de segunda a segunda. A família acompanha todos os canais da TV a cabo sobre o esporte e até as notícias dos campeonatos inglês e italiano estão na ponta da língua.

“Aqui em casa temos duas torcidas rivais. Eu e meu filho mais novo, Luiz Felipe (13 anos), somos cruzeirenses. Já o meu marido, André e o mais velho, João Vitor (17), torcem pelo Atlético. Mas tudo vira brincadeira, e as piadas vêm com muito respeito. O futebol é mais um bom motivo para reunir as pessoas”, conta.

Se os quatro ficam de lados opostos nos campeonatos regionais, quando se fala em seleção brasileira, a unanimidade é inquestionável.Acada Copa do Mundo, a animação dá origem a uma decoração diferente para a rua onde moram. Bandeiras, fitas e tinta, tudo em verde e amarelo. E o bom futebol vem sempre acompanhado de um cardápio como feijoada, churrasco etc.

Questão de sorte

20

Na casa de Edna Leite, as torcidas se misturam em clima de festa

Os enfeites na casa de Edna para a Copa do Mundo de 2014 vão ajudar a recepcionar amigos e familiares. Mas no dia 28 de junho eles não estarão juntos. A sorte de Edna garantiu a ela, em um sorteio, a possibilidade de comprar três ingressos para o jogo das oitavas de final que acontece, nesse dia, no estádio do Mineirão, em Belo Horizonte. “Fiz a inscrição em agosto para a partida porque se o Brasil se classificar em primeiro do grupo, estará nesse jogo. Não criei muitas expectativas, já que milhares se inscreveram. Quando a fatura do cartão chegou, recebi a notícia. Estou bem animada”, comemora.

 

21

Ansioso pelo início da Copa, Gabriel Bittencourt vai acompanhar jogos no Itaquerão e no Maracanã

A sorte também bateu à porta do analista de Negócios da Aperam South America, Gabriel Bittencourt. A esposa, Neide, conquistou destaque no banco em que trabalha e garantiu um prêmio que permitirá ao casal assistir à disputa entre Holanda e Chile no estádio Itaquerão. Eles também vão acompanhar, no Maracanã, Rio de Janeiro, um dos jogos das oitavas de final, com direito a passeio pela ‘Cidade Maravilhosa’ quando acabar a partida.“Uma Copa no Brasil mobiliza as pessoas, não tem jeito. Estou animado para conhecer os estádios, em especial o Itaquerão que é o estádio do Timão (Corinthians)”, comenta.

A Copa do Mundo traz boas recordações para Gabriel há muito tempo. Vinte anos atrás, em 1994, o evento ocorria nos Estados Unidos. O Brasil conquistou o título em uma final muito apertada. O melhor jogador italiano, Roberto Baggio, perderia o pênalti decisivo. “Naquela época, assistia os jogos em bares. Depois da vitória fomos festejar na rua. Espero reviver isso agora que o Brasil joga ‘em casa’. Será também a primeira Copa da minha filha, Maria Eduarda, de quatro anos”, conclui.

Compartilhar: