Revista Espaço

Oportunidades a bordo

Menor custo de manutenção e alta durabilidade do inox atraem os olhares do setor náutico

11

Embarcações a motor, com mais de 4,8 metros, correspondem a 84% da frota brasileira

Mais de 30 mil milhas, cinco continentes e dois anos de viagem. A jornada da Família Schurmann na Expedição Oriente – volta ao mundo realizada quase que inteiramente pelo hemisfério Sul – será longa. Para zarpar em fevereiro de 2014, todos estão na reta final de preparação. Os tripulantes navegarão em um veleiro de mais de 24 metros de comprimento e 6,65 metros de largura, com inox da Aperam South America aplicado no deck, cubas dos banheiros, pisos e mobiliário. Mas não é só no roteiro dos Schurmann que o material marca presença.

A Mekal, cliente da Aperam South America, atua no setor náutico há 45 anos, produzindo, com aço inoxidável, pias, tampos de cozinhas, caixas para baterias, tanques de lavagem de equipamentos e outros itens. De acordo com o coordenador de Marketing da empresa, Maurício Diniz, dois fatores justificam a opção pelo produto. “Especialmente a durabilidade e a manutenção. O setor náutico já é duramente penalizado por ter um custo operacional relativamente alto. O uso do inox, combinado a soluções de design compatíveis com os projetos, reduz custos”, avalia.

A redução nos gastos se deve a fatores como a manutenção, que é menos frequente do que em situações nas quais outros materiais são empregados. No setor náutico, destaca-se o aço inoxidável 316L. Ele possui, em sua composição, de 2% a 2,5% de molibdênio, elemento químico que garante maior resistência à corrosão em situações nas quais existem substâncias ricas em cloretos, como a água do mar. O material também é demandado no segmento de Óleo e Gás.

Cenário positivo

De caiaques a iates de luxo, os estaleiros brasileiros produzem embarcações de esporte e recreio em diversos tamanhos. Dados da pesquisa “Indústria Náutica: Fatos e dados 2012”, divulgada pelo Sebrae do Rio de Janeiro e pela Associação Brasileira de Construtores de Barcos e seus Implementos (Acobar), indicam que o número de estaleiros formais no país chega a 120. Capazes de produzir embarcações de 3 a 36,5 metros, mais de 85% dessas empresas estão nas regiões Sudeste e Sul, com destaque para São Paulo, Santa Catarina e Rio de Janeiro.

No município de Palhoça (SC), o estaleiro Schaeffer Yachts atua há mais de 20 anos no setor. Em suas embarcações, âncoras, pega-mãos, escadas e sistemas de navegação hidráulicos são produzidos com o inox.

“O material possibilita um acabamento de primeira linha e a facilidade para atender aos projetos mais diversos. Quanto maior a embarcação, maior a sua complexidade e a necessidade de utilizar produtos em inox. Também confere valor agregado”, aponta o engenheiro de Produtos do estaleiro Márcio Schaeffer.

A extensão do território brasileiro e sua localização no mundo são outros fatores que favorecem o setor náutico. São cerca de 8.500 quilômetros de costa navegável, além dos rios, lagos e represas. As embarcações esportivas e de recreio, com mais de 4,8 metros, que compõem a frota brasileira, são aproximadamente 70 mil, sendo 84% a motor e o restante a vela. A pesquisa também aponta outros dados que reforçam as boas perspectivas para o setor, já que 73% dos estaleiros pretendem ampliar, entre 2013 e 2014, sua estrutura física e o mix de produtos. E 96% deles acreditam que devem aumentar seus postos de trabalho nesse período.

Compartilhar:
Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Menu

Clique no botão de edição para alterar esse texto. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.