Revista Espaço

Crescimento compartilhado

Empregados da Aperam South America falam das recompensas de ser um bom professor

25

Além de trabalhar na Laminação a Quente, José Geraldo dá aulas em um curso técnico de Administração

A entrevista, que prometia ser breve, durou mais do que o esperado. O motivo não era tanto a complexidade do assunto, mas o encantamento do entrevistado com o tema. José Geraldo ­de ­Castro ­Américo, ­assistente técnico de ­Gestão ­da ­Laminação a ­Quente,­ graduado em Administração e pós-graduado em ­Gestão Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas, foi convidado a falar para a revista Espaço sobre a atividade de professor.23

Essa vocação, ele descobriu aos poucos. Depois ­de 27­ anos na Aperam,­ percebeu que sempre ministrava treinamentos e se engajava nos projetos do Círculo de Controle de Qualidade (CCQ). O gosto por ensinar e orientar estava claro.

“É muito gratificante quando você apresenta algo novo para uma pessoa e, um tempo depois, ela retorna para dizer que aquele aprendizado foi importante”, conta ­José ­Geraldo, ­que ­leciona a disciplina de Administração,­ no ­Centro ­Técnico ­Lúcia Casa santa, há seis anos. Como todo professor foi, antes, um aluno. Ele acredita que um dos segredos para uma boa aula, além de planejamento e preparação, é carregar as boas experiências do tempo de estudante. “Fui ­aluno do ­professor ­Joubert, que lecionava Tecnologia da ­Informação,­ no Centro Universitário ­do ­Leste de ­Minas (Unileste). ­Ele sempre mostrou que também aprendia com os alunos.­ Isso ­é fundamental ­para construir um bom relacionamento”, avalia.

Perto dos livros

Das ­primeiras letras até ­o­ mestrado,­ a formação de Regina Célia de Melo passou pelo curso técnico em Metalurgia, a graduação em Administração, a especialização em Marketing­­ e o mestrado. Para ficar próxima dos livros e repassar um pouco do que aprendeu, a assistente técnica da área de Melhoria Contínua aceitou o convite para dar ­aulas no­ Unileste.­

“É uma atividade muito dinâmica. Não existe uma aula igual à outra. A interação com os alunos faz com que tudo seja diferente e, por isso, sempre dá um friozinho na barriga”, descreve. Nos quase 20 anos como professora, Regina Célia venceu a timidez inicial, o que contribuiu para sua rotina na Aperam. Além disso, ela pôde rever o ex-professor do curso técnico,­ Hélcio ­Drummond,­ em ­um ­novo papel, dessa vez, como seu aluno na universidade. “Eu acho que ele se sentiu orgulhoso com minha evolução. ­Isso ­faz parte da missão de um professor, ajudar as pessoas a crescer”, conclui. 24

Compartilhar: