Revista Espaço

Atenção para o mercado

Capacitações ­do ­Instituto ­do ­Inox garantem ­mão de ­obra ­e produtos de qualidade32

Geovane Oliveira, de 18 anos, sabe bem como soldar chapas e tubos de inox em diversas espessuras. Esses conhecimentos, adquiridos no Curso de ­Soldagem ­TIG,­ do ­Instituto do Inox,­ ajudaram ­o ­jovem a conseguir seu primeiro emprego. Ele faz parte dos 65% de alunos que, após o curso, receberam uma oportunidade. “Achei tudo muito interessante e o diferencial está justamente na formação voltada para o mercado de trabalho”, comenta.

Como ele, outros 22 alunos concluíram a qualificação no primeiro semestre, com carga horária de 100 horas, divididas entre teoria ­e prática.­ Daniel Damasceno,­ outro ex-aluno, descobriu a oportunidade por indicação dos amigos e tem gostado da área.­ “Já ­havia ­feito ­outro ­curso sobre soldagem, mas é sempre importante pensar em se capacitar. Os professores são muito bons e isso me ajudou a aprender bastante”, avalia.

No segundo semestre, a qualificação vem sendo novamente ofertada, e, também, o curso ­de Trabalhabilidade ­do Aço Inox,­ com carga horária de 300 horas. Neste, o aluno tem a oportunidade de conhecer as formas de aplicação do aço inoxidável, o fluxo de produção, soldagem, acabamento e cuidados no manuseio. Os dois cursos passaram por revisões a partir das quais foi possível otimizar e focar os conteúdos teórico e prático para a demanda atual do mercado de trabalho, além de permitir a melhoria no processo seletivo dos novos alunos.

“A seleção agora é feita por uma profissional da ­Fundação ­Aperam Acesita,­ com formação em psicologia, o que contribui para a escolha de candidatos com o perfil adequado. Também buscamos o diálogo constante com as empresas do setor para garantir que os alunos cheguem cada vez mais aptos ao mercado”, afirma o ­coordenador ­de ­Projetos ­da ­Fundação Aperam Acesita,­Fabiano Araújo.­

Qualidade na produção

No Vale ­do ­Jequitinhonha, ­a­ atuação ­do Instituto ­do ­Inox tem assegurado ­também melhoria na qualidade da produção dos serralheiros da região. Cursos, como o de Soldagem e Acabamento, promovido na oficina da Aperam Bioenergia, em Capelinha (MG), no segundo semestre, contribuem para melhorar efetivamente a qualidade dos produtos feitos em inox na região.

Paulo Alexandre Rodrigues, proprietário de uma serralheria em Minas Novas e um dos 12 participantes, acredita que o trabalho com o material requer cuidado especial e conhecimento de ótimas técnicas. Após o curso, ele já escolheu com quais peças quer trabalhar. “Pretendo me dedicar a objetos pequenos, como churrasqueiras, reservatório de serpentina e corrimão. Os conhecimentos vão me ajudar a desempenhar um trabalho de excelente qualidade”, aponta.

 

 

Compartilhar: