Revista Espaço

Solução caseira

Alternativa elimina desgaste nos recuperadores de calor

10

Rômulo Cássio Silva e Henrique de Castro, da área de Laminação de Tiras a Quente, e Alberto Hisashi, da Engenharia de Equipamentos, atuaram no projeto

9Na Laminação a Quente, as placas de aço têm a espessura reduzida para se transformar em bobinas. Esse processo acontece em temperaturas de até 1.280º C, obtidas pela combustão de gases. Durante esse momento, no entanto, parte do calor se perde com a fumaça. Para reduzir a perda, o recuperador de calor atua entre o forno e a chaminé que libera essa fumaça para a atmosfera.

No forno Walking Beam 2, da Usina de Timóteo (MG), estão instaladas duas células do recuperador de calor que apresentaram, em 2009, perda de espessura na parede dos tubos, por corrosão e oxidação. Com isso, não promoviam, com eficiência, a troca térmica entre a fumaça e o ar no interior dos tubos, o que poderia comprometer o bom funcionamento do sistema. Para solucionar o problema, a Aperam contava com duas opções: adquirir novo equipamento ou buscar uma solução interna. A parceria e os trabalhos desenvolvidos pelas áreas de Engenharia de Equipamentos, Laminação a Quente, Oficina Mecânica, Eficiência Energética e do Centro de Pesquisas resultaram em uma alternativa eficiente e econômica.

“Além do custo mais alto, a nova aquisição externa demandaria um tempo de espera maior. A solução caseira só foi possível porque contamos com o grande conhecimento técnico das equipes, além do empenho e responsabilidade de todos na condução do trabalho”, ressalta o assistente técnico da área de Engenharia de Equipamentos, Alberto Hisashi.

Eficiência não só nos carros

A primeira alternativa para resolver o problema dos tubos do recuperador seria a importação de um novo equipamento, o que demandaria muitos meses de espera e custo elevado. Adquirir um equipamento nacional foi uma opção descartada, devido à dificuldade em obter desenhos detalhados do equipamento. Além disso, manter os tubos do recuperador com o mesmo material poderia representar o risco de repetição do problema. Por isso, foi realizada a substituição do inox K09 pelo inox K39 para a construção do equipamento.

Com base nos estudos do Centro de Pesquisas da Empresa, foi observado que o aço inoxidável K39 MD, inicialmente desenvolvido para aplicação em escapamento de veículos, possuía características favoráveis, também, para um recuperador de calor. “O material é indicado para essas situações, justamente pela resistência a altas temperaturas, boa soldabilidade e grande capacidade de conformação. Foi uma oportunidade de mostrar que podemos buscar soluções para nossa rotina internamente”, conta o pesquisador Tarcísio Oliveira, do Centro de Pesquisas da Aperam.

Após a construção do recuperador de calor, a empresa Thermon, de Timóteo, já produziu máquinas similares para outras companhias, criando uma nova aplicação para o inox K39 MD da Aperam. “Foi desenvolvido um fornecedor local para produção desse equipamento, o que potencializa a vocação regional de desenvolvimento de tecnologia de ponta, antes limitado aos grandes produtores mundiais”, conta o coordenador técnico da Laminação de Tiras a Quente, Henrique de Castro Rodrigues.

Compartilhar: