Revista Espaço

Sucesso nos bastidores

Trabalho da Fundação Aperam Acesita entra em cena para valorizar a cultura do Vale do Aço

Nada de telefone. O primeiro contato do ator André Luiz, mais conhecido pelo nome do personagem que criou – o Sô Zé – com a Fundação,foi feito pessoalmente. E essa proximidade, desde então, faz parte da parceria entre o ator e a instituição, um relacionamento marcado por apresentações com bilheteria esgotada e pelo carinho que o artista conserva pela Fundação. “Não canso de agradecer a toda a equipe, que dialoga com os artistas de maneira muito respeitosa. Os gastos que envolvem a produção de uma peça são grandes e a Fundação oferece total apoio aos artistas nesse sentido”, avalia.

23

Othon Valgas, Nivea Paula e Sô Zé são artistas beneficiados pela parceria com a Fundação

Assim como Sô Zé, outros artistas do Vale do Aço recebem apoio da Fundação, que oferece o espaço físico para os espetáculos, equipamentos de luz e som, suporte técnico, assessoria e capacitação. “Mais do que a infraestrutura, a expertise desenvolvida pela Fundação na área cultural ao longo de sua história também é fundamental. Isso é importante para assessorar produtores e artistas, valorizando efetivamente o potencial da região”, avalia a coordenadora de Projetos de Cultura da Fundação Aperam Acesita, Marilene de Lucca Siqueira.

Parceria duradoura

Primeiro foi a “Princesa engasgada”, e, por último, “Terapia para Mulheres, da TPM à Menopausa” – peças com participação do ator e diretor Othon Valgas, que já ocuparam o palco do teatro da Fundação. A parceria entre o artista e a instituição, que já dura mais de 15 anos, é vista por ele como uma relação em que a arte e o público saem ganhando. “A qualidade dos nossos trabalhos melhorou e está ainda mais acessível para o público. A arte não deve ser vista como um produto para poucas pessoas, mas como um bem da sociedade”, comenta Othon.

Primeiros passos

Nívea Paula subiu ao palco pela primeira vez no início de 2012, como vocalista de um grupo no Projeto Ponto da Música, da Fundação Aperam Acesita, que apresenta novos talentos musicais da região, mas os passos iniciais no universo da música aconteceram nos tempos de colégio. Em 2013, a cantora, que se dedica a ritmos como blues, música popular brasileira e samba, se apresentou novamente como cantora solo. Ela não se cansa de relembrar os elogios recebidos a cada show. “É uma grande oportunidade para conhecer o público e para que ele me conheça. A apresentação abriu portas para que eu fosse convidada a me apresentar em outros locais”, recorda.

Compartilhar: