Revista Espaço

Lugar de educação e lazer

Oikós completa 20 anos como atração que faz parte da história dos moradores da cidade de Timóteo

14

O casal Martha e Valdir faz atividades físicas com regularidade no Oikós

Terça e quinta-feira são dias sagrados para o motorista de transporte escolar Valdir Araújo. É o momento de jogar futebol com os amigos. E os outros três dias úteis da semana são igualmente aproveitados para visitar um local que há muito tempo faz parte de sua rotina. “Gosto muito das trilhas, do ar puro, do sossego e também das atrações criadas para ensinar sobre o meio ambiente. Sempre que possível levava meus sobrinhos”, comenta.

O contato com a natureza no Centro de Educação Ambiental – Oikós Valdir compartilha com sua esposa e companheira de trabalho, a monitora de transporte escolar, Martha Araújo. Entre caminhadas e corridas, o local sempre oferece algo de novo que chama a atenção. “Basta um olhar atento. Um dia a gente viu uns macacos diferentes se aproximando. Ficamos curiosos e eles começaram a chegar ainda mais perto. Foi muito interessante”, lembra Martha.

Assim como Martha e Valdir, várias pessoas – estima-se que 400 mil visitantes – já participaram de alguma atividade oferecida no local. O espaço, que antes abrigava o antigo Centro de Pesquisa da Acesita Energética, transformou-se em um Centro de Educação Ambiental no Dia Mundial do Meio Ambiente, 5 de junho de 1993. “A criação do Centro de Educação Ambiental – Oikós se deu para estreitar o relacionamento da Empresa com a comunidade e, ao mesmo tempo, reforçar a atuação da Aperam nas questões relacionadas ao meio ambiente. Cabe ressaltar a visão de futuro que a Organização teve ao criar o Centro 20 anos atrás”, afirma o diretor de Recursos Humanos da Aperam South America, Ilder Camargo.

Dentro e fora do trabalho

15

Em 20 anos, o Oikós já recebeu mais de 46 mil visitas escolares monitoradas

Voltado para a educação ambiental desde sua origem, a proximidade do Oikós com as escolas públicas na cidade de Timóteo ocorreu como um processo natural. Em 20 anos, foram mais de 46 mil visitas escolares monitoradas. A professora de Matemática e Ciências da Escola Estadual Getúlio Vargas, Solange Guimarães leciona desde 1982 e, com o nascimento do Oikós, em 1993, viu as possibilidades de melhoria na qualidade do ensino serem aumentadas. “É preciso recorrer a várias ferramentas para atrair a atenção dos estudantes e estimular o aprendizado. No Oikós, os alunos conseguem ver, na prática, o que leem sobre fauna e flora, além da preservação”, conta.

Mas o Centro de Educação Ambiental não é importante apenas para a formação dos alunos de Solange. As filhas Marcela e Ana Tereza, que hoje são adultas, viveram uma infância cheia de lazer e aprendizado no Oikós. “Vejo-o como um espaço preocupado com uma conduta cidadã e sustentável. Queria passar esse valor para as meninas, por isso, passeávamos por lá. Também era divertido ver o encantamento delas com coisas simples como um formigueiro, por exemplo”, lembra Solange.

Praticamente um lar

16

Raimundo e Vanda encontram no Oikós um espaço com tranquilidade para os passeios

A palavra Oikós, em grego, significa casa e, para os aposentados Vanda de Melo, de 76 anos, e Raimundo de Melo, 77 anos, a escolha do nome não poderia ter sido melhor. Acostumado a frequentar o local desde a sua fundação, o casal, viu as visitas marcarem o crescimento das netas Renata, de 21 anos, e Rafaela, de 18. Hoje podem reviver aquela época com a mais nova, Laura de 2 anos. “Nas atividades e em alguns eventos, minha família toda participava.

Além disso, eu e meu marido gostamos muito de caminhar por lá”, comenta Vanda. Além de reunir a família, Raimundo também aproveita os passeios para cuidar da saúde. De segunda a sexta-feira, caminha por uma hora e não deixa de lado os alongamentos. Um momento para relaxar. “Quando atravesso o portão e entro no Oikós, sinto-me como se estivesse no paraíso. O barulho dos carros, os problemas e a poluição ficam lá fora. É tudo tão especial que se você me pedir para dizer o que gosto mais aqui dentro eu não saberei responder”, elogia.


Anos de conhecimento

O Oikos abriga, aproximadamente, 120 espécies vegetais e 110 de aves, típicas da Mata Atlântica, além de 32 nascentes. Mais do que preservar esse patrimônio natural, são promovidas também ações de transmissão de conhecimento para que o cuidado com o meio ambiente seja replicado pelos visitantes em seu dia a dia. Atualmente, a Fundação Aperam Acesita desenvolve vários projetos no local, entre eles, a Educação Ambiental para empregados e familiares e o Trilhando e Refletindo – Visitas Escolares Monitoradas.

Compartilhar: