Revista Espaço

Em busca dos 100%

Aperam South America investe em alternativas para aumentar o volume de resíduos destinados ao reaproveitamento

É tudo uma questão de reunir quem deseja vender e quem quer comprar. Assim, restos de alimentos podem dar origem a adubo para a agricultura, quando destinados a um local que realize esse tipo de processo. Já pedaços de madeira sem uso, tornam-se combustível nas indústrias de beneficiamento de carvão. E o resultado é a redução do volume de resíduos encaminhados a aterros sanitários ou pátios de sucata.

Interessada em minimizar impactos ambientais e, ao mesmo tempo, gerar retorno financeiro para a Empresa, a Aperam South America procura dar a melhor destinação possível para esses e outros materiais e, desde março de 2013, conta com duas ferramentas para isso: o Programa Mineiro de Simbiose Industrial (PMSI) e a Bolsa de Resíduos, ambos da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg). “Como o mercado para venda desses itens está se tornando cada vez mais interessante, do ponto de vista ambiental e financeiro, estamos buscando mais compradores para aumentar o volume vendido e alcançar 100% de aproveitamento”, avalia o assessor de Meio Ambiente da Aperam South America, Glautiere Paiva Gomes.

A Bolsa de Resíduos consiste em um site onde se encontram cadastradas as empresas que desejam vender os resíduos, com informações como o tipo de material, data de divulgação, localização e outros. Os possíveis compradores acessam as informações e escolhem os itens de interesse. Já o Programa Mineiro de Simbiose Industrial promove aproximações por meio do cruzamento de dados das empresas e da realização de workshops para incentivar o desenvolvimento sustentável da indústria.9

Em 2012, a Aperam gerou 562 mil toneladas de resíduos e destinou ao reaproveitamento 499 mil toneladas, ou seja, resultado acima de 85% do total. A Empresa conseguiu aumentar o percentual de reaproveitamento entre 2011 e 2012 e, a cada ano, esse número se torna ainda mais desafiador. “A participação na Bolsa de Resíduos e no Programa Mineiro de Simbiose Industrial traz perspectivas ainda melhores para 2013”, projeta Glautiere.

 

Compartilhar: