Revista Espaço

Antes que a fagulha vire chama

Aperam Bioenergia mobiliza parcerias e ações preventivas para evitar o surgimento de queimadas no Vale do Jequitinhonha

A capacidade de uma queimada fazer estragos é grande, pois o fogo se alastra rapidamente, tornando o controle muito difícil. Por esses e outros motivos, utilizar esse método em roçados para preparar o solo é uma ideia que deve ser abandonada pelos agricultores. Esse contexto incentiva a Aperam Bioenergia a, cada vez mais, estreitar laços com entidades como a Associação Florestal do Alto Jequitinhonha (AFAJ), o Corpo de Bombeiros de Minas Gerais e as polícias Militar e Civil para alertar a comunidade sobre esses danos e as formas de evitá-los.

De acordo com dados do Programa de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais (Previncêndio), uma parceria entre o Instituto Estadual de Florestas e o Corpo de Bombeiros Militar de Minas, em 2012, o estado registrou cerca de 560 ocorrências de incêndio florestal. Do total, 17 foram no primeiro quadrimestre. Já em 2013, o número, nos quatro primeiros meses do ano, chegou a 25.

“A alta incidência de focos no ano passado nos fez perceber que precisávamos agir. Quanto maior for o conhecimento das pessoas sobre o assunto, melhor será o enfrentamento do problema”, afirma o diretor presidente da Aperam Bioenergia, Jaime Gasparini. A Empresa promoveu, ao longo do ano, treinamentos, palestras e campanhas informativas para empregados e comunidade sobre a prevenção de incêndios.

Atenção dentro e fora da Empresa

17

Vigilantes patrimoniais contam com veículos equipados para atuar preventivamente

O trabalho é intensificado entre agosto e outubro, quando o calor e a baixa umidade se combinam e contribuem para que as chamas tomem grandes proporções. Ainda de acordo com o Previncêndio, o número de ocorrências de incêndio florestal, em Minas Gerais, chegou a 177 em agosto de 2012, resultado superior à soma dos oito primeiros meses do ano, que totaliza 132.Um programa anual, elaborado pela Bioenergia, estabelece as ferramentas necessárias e define o papel de cada um nas ações de prevenção e combate ao incêndio, onde as particularidades de cada mês também são previstas.

A Empresa conta com apoio de seis brigadas de incêndio compostas por, aproximadamente, 80 profissionais. Além disso, vigilantes e plantonistas dispõem de kits de ferramentas para o combate ao fogo. O grupo conta com torres de observação que permitem identificar os focos ainda no início.

“Nossa preocupação ultrapassa os limites da área cultivada da Empresa. O fogo provoca perdas para todos. É uma questão de segurança e as pessoas precisam ter a consciência de que o meio ambiente, as empresas, outros agricultores e moradores em geral sofrem as consequências das queimadas”, avalia o gerente de Silvicultura da Aperam Bioenergia, Daniel Coelho.

 

Compartilhar:
Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Menu

Clique no botão de edição para alterar esse texto. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.