Revista Espaço

Apoio expressivo

Edital da Fundação seleciona projetos de pequeno porte para receber recursos

Como forma de destinar recursos a instituições dos municípios de influência da Empresa, de modo organizado e democrático, a Fundação Aperam Acesita lançou, no primeiro semestre, um inédito edital de apoio a projetos de pequeno porte.

Das organizações das regiões do Vale do Aço e Vale do Jequitinhonha, que pleitearam os recursos disponibilizados, oito instituições foram selecionadas, sendo quatro da cidade de Timóteo, duas de Coronel Fabriciano e outras duas do município de Minas Novas, no Vale do Jequitinhonha. O processo de seleção foi feito por um Comitê de Avaliação formado por voluntários da Aperam South America, representantes da comunidade e pela diretoria da Fundação.

“Essa iniciativa representa o começo de uma nova etapa. Com ela, estamos, mais uma vez, fortalecendo a nossa missão que é contribuir para o desenvolvimento local, integrado e sustentável, visando a melhoria da qualidade de vida das comunidades onde a Aperam South America está inserida”, afirma o presidente da Fundação Aperam Acesita, Venilson Vitorino.

A Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais de Minas Novas (Apae) está entre as instituições beneficiadas pelo edital. Os recursos recebidos pela casa, que conta com 94 assistidos, serão investidos numa reforma do pátio. O espaço, também utilizado como refeitório, vai se tornar mais seguro para os assistidos, conforme explica a coordenadora da unidade, Márcia Lourenço.

“Pretendemos trocar o piso por um material mais resistente e seguro e, ainda, comprar um novo mobiliário para o pátio. Assim, além de estarmos mais qualificados para receber nossos alunos, vamos ter um novo local para atividades lúdicas e de aprendizado, como oficinas de artesanato”, ressalta.


Um novo ritmo em Timóteo

Com os recursos recebidos por meio do edital, a Casa de Arte e Inclusão Social (Cais) vai aproximar jovens do bairro Santa Cruz, em Timóteo, do batuque dos tambores. A instituição utilizará os recursos do programa na compra de instrumentos musicais de percussão.

O presidente da organização, Cristiano Valetim, explica que as ações musicais são promovidas em escolas municipais da região. Entretanto, ao chegarem no Ensino Médio, quando são transferidos para escolas estaduais, os alunos se afastam da música. “Agora, com instrumentos musicais próprios da Cais, vamos montar um grupo de percursionistas dentro da nossa instituição. Assim, vamos garantir que jovens com mais de 13 anos possam continuar tocando”, comenta.

Para ele, atividades culturais são importantes ferramentas para a educação dos adolescentes. “Ensinamos não só música, mas também cidadania. O que falta aos jovens, muitas vezes, são oportunidades. Com o apoio da Fundação, por meio do edital, esperamos dar novas possibilidades a esses meninos”, encerra Cristiano.

Compartilhar: