Revista Espaço

Subindo!

Aço inoxidável da Aperam South America é cada vez mais presente no segmento de elevadores3

No sobe e desce diário dos cerca de sete milhões de elevadores existentes no mundo, segundo dados do Sindicato das Empresas de Conservação, Manutenção e Instalação de Elevadores do Estado de São Paulo (Seciesp), o aço inoxidável é matéria-prima fundamental. Desde que o primeiro elevador elétrico foi apresentado ao público, em uma feira industrial na Alemanha, em 1880, o equipamento não para de evoluir, tornando-se referência nas construções modernas e elemento primordial para garantir a acessibilidade.

Nos últimos dois anos, a produção anual de elevadores passou de nove mil para 15 mil no País, graças ao aquecimento da indústria civil. Desse montante, 80% contam com a qualidade e a eficiência do aço inoxidável da Aperam South America. Um elevador pesa, em média, três toneladas – e o inox representa 15% desse montante. “O percentual pode aumentar, já que boa parte dos componentes dos elevadores ainda é importada”, avalia o assistente técnico da Aperam South America, Sérgio Martins.

Além das portas e cabines tradicionalmente produzidas em aço inoxidável, a Aperam investe em pesquisa e no desenvolvimento para diferentes aplicações do produto em elevadores. Alguns itens que normalmente são importados foram confeccionados com o inox 304 em diferentes espessuras, e estão em fase de testes e homologação nos fabricantes. “Nosso diferencial competitivo é a agilidade na entrega e no atendimento das necessidades emergenciais de nossos clientes, além da capacidade de produzir aços ferríticos estabilizados de ponta”, afirma o gerente executivo de Vendas da Aperam South America, Daniel Domingues.

O segmento de elevadores representa cerca de 20% do que é vendido pela Aperam South America para a construção civil e exige elevados padrões de qualidade, principalmente quanto à superfície do material. “O inox é versátil, tem alta durabilidade, oferece facilidade de manutenção e, principalmente, beleza”, resume Daniel. O volume de fornecimento anual para o setor chega a ultrapassar as duas mil toneladas de aço inoxidável plano.

Mobilidade garantida

Assim como a verticalização dos grandes centros urbanos, as exigências legais de acessibilidade contribuem para alavancar as vendas do setor. Mesmo os edifícios mais baixos (a partir de três andares) estão sendo obrigados por leis municipais e estaduais a instalarem elevadores para acesso de deficientes. Outro fator preponderante é o uso de materiais eficientes, não prejudiciais ao meio ambiente. “É o caso do aço inoxidável, que é 100% reciclável e dispensa o uso de revestimentos”, aponta Daniel.

Mercado em expansão

O crescimento acelerado da construção civil, associado aos preparativos para a Copa do Mundo de 2014 e para os Jogos Olímpicos de 2016, trouxe reflexos para o consumo brasileiro de elevadores. Segundo o Sindicato das Empresas de Elevadores do Estado de São Paulo (Seciesp), os pedidos, que antes precisavam ser feitos com seis meses de antecedência, agora têm prazo de um ano. Essa demanda deu novo ânimo aos três maiores produtores mundiais que atuam no Brasil: a norte-americana Otis, a alemã ThyssenKrupp e a suíça Atlas Schindler.

O setor da construção civil continuará crescendo entre 4,5 a 5% ao ano, segundo estimativas apontadas no evento Business Round Up – Perspectivas 2012, realizado pela Câmara Americana de Comércio (Amcham), no final de 2011, em São Paulo. O aumento na renda da população brasileira e a execução de programas do Governo Federal, como o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e o Minha Casa, Minha Vida, confirmam as expectativas.

Compartilhar: