Revista Espaço

Sob controle

Processos e procedimentos de radioproteção são auditados na Usina de Timóteo

7

Segurança no ambiente de trabalho é a prioridade de todas as operações da Aperam South America, orientadas pelo seguinte lema: “Se algo não pode ser feito com segurança, que não seja feito”. Essa máxima foi confirmada em recente auditoria da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), que avaliou equipamentos e instalações da Usina de Timóteo que utilizam emissores de radiação ionizante.

Em março, uma equipe do órgão visitou áreas da Empresa para conferir se a legislação está sendo cumprida e verificar o alinhamento das atividades e medidas de proteção descritas ao que, de fato, é feito dentro da Companhia.

Além disso, o conhecimento da equipe de Radioproteção da Usina, responsável pela supervisão dos processos e monitoramento dos equipamentos emissores de raios-x, também foi checado, assim como os Atestados de Saúde Ocupacional (ASO) das pessoas envolvidas nas atividades. “Ficamos bastante satisfeitos, pois todo o trabalho foi certificado, liberado e as medidas de proteção, em particular, foram elogiadas e destacadas, mostrando que estamos no caminho certo para evitar riscos e garantir a saúde de todos aqui dentro”, afirma o assessor de Meio Ambiente e supervisor de radioproteção habilitado pela CNEN, Glautiere Gomes.

Essa foi a segunda vez que a CNEN avaliou as atividades na Usina, sendo que, pela primeira vez, os mecanismos de proteção foram alvo de auditoria.

Monitoramento completo

6

Auditoria certificou os cuidados da Aperam South America na operação de processos que utilizam materiais emissores de radiação

A Aperam South America utiliza radiação como instrumento para medição de espessura de chapas de aço, por meio de equipamentos de raios-x. “Optamos pelo raio-x, porque ele apresenta menos riscos que as fontes radioativas”, explica Glautiere.

Os controles internos incluem checagem e manutenção de equipamentos, análise de elementos radioativos no aço e na escória, controle da sucata por meio de portais de detecção de radiação instalados na Portaria 8 da Empresa e no Pátio de Sucatas e estabelecimento de medidas protetoras para os empregados envolvidos nas atividades.

“Nosso trabalho é construir uma barreira de proteção contra materiais radioativos na Empresa. Uma atribuição importante e que exige atenção em todo momento, uma vez que a radioatividade é incolor, inodora, não palpável e inaudível”, destaca Glautiere.

Compartilhar: