Revista Espaço

Tecnologia de aço

Inox da Aperam contribuirá para a fabricação de veículos menos poluentes no Brasil

3

EGR (Recirculação de Gases de Escape) e a SCR (Redução Catalítica Seletiva) contam com o aço inox para a redução de poluentes

Em 2012, o Brasil passa a cumprir uma nova norma para redução de poluentes que contará diretamente com o emprego do aço produzido pela Aperam South America. Caminhões e ônibus agora deverão ser fabricados de acordo com o Proconve P7 (O Proconve P7 é o equivalente brasileiro à regulação europeia Euro 5, que busca reduzir consideravelmente o volume de poluentes emitidos no ar por caminhões e ônibus. Com a nova resolução, a redução será de 1538 Kg por ano de material particulado por veículo pesado para 28 Kg por ano. Esses valores significam que cada caminhão antigo polui o equivalente a 55 caminhões adaptados.), que estabelece a diminuição de 97% de poluentes com um sistema, cujos motores demandarão aço inox para sua produção e combustíveis adaptados.

As montadoras já iniciaram a produção de veículos equipados com os sistemas de tratamento de gases que empregam as tecnologias EGR (Recirculação de Gases de Escape) e SCR (Redução Catalítica Seletiva). A nova norma entrou em vigor no dia 1º de janeiro.

Um dos materiais usados nos sistemas – em especial o de Redução Catalítica Seletiva – é o aço inox K41. “Junto ao aço P201F, também desenvolvido para o uso nos novos motores, o K41 é o aço mais adequado, por ser capaz de suportar o ambiente agressivo gerado pelo motor devido ao uso do Arla 32, aditivo obrigatório que entra em reação para reduzir o teor de poluentes”, afirma Júlio César Di Cunto, engenheiro de aplicação da Aperam South America.

As frotas fabricadas sem a adoção das novas tecnologias poderão ser comercializadas no Brasil até 30 de março, mas a produção dos novos veículos já em 2011 gera perspectivas favoráveis de fornecimento de aço para o próximo ano. “É um segmento que demandará, no mínimo, cerca de 6.000 toneladas de aço inox, apenas em 2012. A tendência é que nos próximos anos esse volume cresça no ritmo da produção nacional de ônibus e caminhões”, avalia Marco Antônio Marcello, analista de negócios da Aperam. “Essa nova aplicação aumentará o consumo aparente de inox (soma das vendas internas mais importação) em aproximadamente 1,5% no Brasil”, conta Daniel Rodolpho Domingues, gerente executivo do segmento.


Entenda os novos sistemas

Os novos veículos adaptados devem adotar as tecnologias EGR e SCR, juntas ou separadas. Na primeira, um tubo liga o coletor de gases de escape do motor ao coletor de gases de admissão, fazendo com que parte do combustível não queimado seja resfriado e volte ao motor para nova combustão, diminuindo a poluição da atmosfera.

Na segunda, os gases de escape passam por um catalisador, feito internamente com aço K41 da Aperam, onde são diluídos em um composto de ureia e água, o Arla 32. Com a reação química provocada, os resíduos descartados no ar são vapor de água e nitrogênio, componentes do ar saudável que respiramos.

Compartilhar:
Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Menu

Clique no botão de edição para alterar esse texto. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.