Revista Espaço

Tecnologia de aço

Inox da Aperam contribuirá para a fabricação de veículos menos poluentes no Brasil

3

EGR (Recirculação de Gases de Escape) e a SCR (Redução Catalítica Seletiva) contam com o aço inox para a redução de poluentes

Em 2012, o Brasil passa a cumprir uma nova norma para redução de poluentes que contará diretamente com o emprego do aço produzido pela Aperam South America. Caminhões e ônibus agora deverão ser fabricados de acordo com o Proconve P7 (O Proconve P7 é o equivalente brasileiro à regulação europeia Euro 5, que busca reduzir consideravelmente o volume de poluentes emitidos no ar por caminhões e ônibus. Com a nova resolução, a redução será de 1538 Kg por ano de material particulado por veículo pesado para 28 Kg por ano. Esses valores significam que cada caminhão antigo polui o equivalente a 55 caminhões adaptados.), que estabelece a diminuição de 97% de poluentes com um sistema, cujos motores demandarão aço inox para sua produção e combustíveis adaptados.

As montadoras já iniciaram a produção de veículos equipados com os sistemas de tratamento de gases que empregam as tecnologias EGR (Recirculação de Gases de Escape) e SCR (Redução Catalítica Seletiva). A nova norma entrou em vigor no dia 1º de janeiro.

Um dos materiais usados nos sistemas – em especial o de Redução Catalítica Seletiva – é o aço inox K41. “Junto ao aço P201F, também desenvolvido para o uso nos novos motores, o K41 é o aço mais adequado, por ser capaz de suportar o ambiente agressivo gerado pelo motor devido ao uso do Arla 32, aditivo obrigatório que entra em reação para reduzir o teor de poluentes”, afirma Júlio César Di Cunto, engenheiro de aplicação da Aperam South America.

As frotas fabricadas sem a adoção das novas tecnologias poderão ser comercializadas no Brasil até 30 de março, mas a produção dos novos veículos já em 2011 gera perspectivas favoráveis de fornecimento de aço para o próximo ano. “É um segmento que demandará, no mínimo, cerca de 6.000 toneladas de aço inox, apenas em 2012. A tendência é que nos próximos anos esse volume cresça no ritmo da produção nacional de ônibus e caminhões”, avalia Marco Antônio Marcello, analista de negócios da Aperam. “Essa nova aplicação aumentará o consumo aparente de inox (soma das vendas internas mais importação) em aproximadamente 1,5% no Brasil”, conta Daniel Rodolpho Domingues, gerente executivo do segmento.


Entenda os novos sistemas

Os novos veículos adaptados devem adotar as tecnologias EGR e SCR, juntas ou separadas. Na primeira, um tubo liga o coletor de gases de escape do motor ao coletor de gases de admissão, fazendo com que parte do combustível não queimado seja resfriado e volte ao motor para nova combustão, diminuindo a poluição da atmosfera.

Na segunda, os gases de escape passam por um catalisador, feito internamente com aço K41 da Aperam, onde são diluídos em um composto de ureia e água, o Arla 32. Com a reação química provocada, os resíduos descartados no ar são vapor de água e nitrogênio, componentes do ar saudável que respiramos.

Compartilhar: