Revista Espaço

Afinados para a vida

Musicalidade é foco de iniciativas apoiadas pela Fundação Aperam Acesita que despertam talentos e mobilizam crianças, adultos e idosos

“Sem a música, a vida seria um erro”. A frase de Friedrich Nietzsche valoriza os benefícios que as melodias e notas musicais trazem para a existência das pessoas. O pensamento do filósofo alemão é compartilhado pela Fundação Aperam Acesita, que, por meio do Programa Cultura e Cidadania, desenvolve três projetos de Canto Coral, que levam a musicalidade a pessoas de todas as idades, em Timóteo.

O Coro Meninos Cantores da Aperam é formado por alunos de escolas públicas e crianças da periferia da cidade, de idades entre sete e 15 anos; o Coro Meninas Cantoras da Aperam, por meninas, na maioria filhas de empregados da Aperam Timóteo, de mesma faixa etária; e, por fim, o Coro Adulto, por pessoas da comunidade.

Em todos eles, os alunos se encontram duas vezes por semana para aulas de técnica vocal, leitura musical e expressão corporal, descobrindo – e se encantando – com o universo da música clássica e outros ritmos musicais. A regência cabe ao maestro Luciano Mendes Lima que já fundou e dirigiu muitos corais em Minas Gerais. “Os corais funcionam como um instrumento de transformação social e cultural em Timóteo”, afirma Marilene de Lucca Siqueira, coordenadora de Cultura da Fundação Aperam Acesita. Ela lembra o objetivo principal da criação dos projetos: contribuir para o desenvolvimento da comunidade, ampliando o universo cultural dos integrantes e estimulando a formação e desenvolvimento das crianças. “Mais do que o canto, os corais transmitem aos meninos e aos integrantes do coro adulto, importantes valores, como trabalho em equipe, companheirismo e convivência”, relata Marilene.

Em 2010, os corais realizaram 37 apresentações, reunindo público superior a 25 mil pessoas em escolas, restaurantes, teatros, parques e igrejas, de Timóteo, Ipatinga e Coronel Fabriciano, e em unidades da Empresa: Escritório Central, restaurantes e Centro Cultural da Fundação. Encontros de integração com os pais dos coralistas também fazem parte do trabalho, assim como as já tradicionais Cantatas de Natal nas sacadas do Centro Cultural da Fundação.

Para a melhor idade

O incentivo ao contato com a música se estende também à terceira idade. Ancorado ao Programa Andanças, que promove atividades que contribuem para a melhoria das condições de vida de pessoas com essa faixa etária, estão o Grupo de Seresta Grãos e Sonhos e o Coral Feliz Idade, que reúnem aposentados da cidade e utilizam a música como ferramenta de reflexão crítica e estímulo da memória. Ambos são coordenados pelo maestro Marcos Vaz. No primeiro, fundado há dez anos, 33 idosos ensaiam, duas vezes por semana, músicas tradicionais da região e, no primeiro final de semana do mês, apresentam-se na Praça 1º de Maio. No coral Feliz Idade, os ensaios ocorrem todas as quintas-feiras e reúnem 20 pessoas. Os grupos também se apresentam em eventos na comunidade e em cidades vizinhas.


O poder da música

Já foi comprovado pela ciência que melodias agradáveis induzem à liberação de substâncias no corpo que causam sensação de prazer e bem-estar. Além disso, melhora a coordenação motora e o raciocínio, diminui o estresse e reforça o sistema imunológico.

Compartilhar: