Revista Espaço

Jovens empreendedores

Programa oferece a estudantes a oportunidade de criar e gerenciar suas próprias miniempresas

17

Miniempresa proporciona aprendizado para alunos e professores

Montar uma empresa ainda no ensino médio é difícil, mas não impossível. E os resultados do programa Miniempresa comprovam isso. Criado pela Junior Achievement e desenvolvido em parceria com a Fundação Aperam Acesita, o projeto estimula jovens estudantes a criarem e gerenciarem por 15 semanas um pequeno negócio dentro da própria escola. Desde 2004, voluntários da Aperam Timóteo e da comunidade participam anualmente das atividades, oferecendo suporte nas áreas de produção, marketing, recursos humanos e finanças.

“O objetivo é proporcionar aos alunos uma experiência prática, focada em conceitos de empreendedorismo, comercialização, economia e outros”, define Fábio Rogério dos Santos, assistente técnico da gerência de Melhoria Contínua e Qualidade da Aperam Timóteo. No programa desde 2008, Fábio é um dos advisers (nome dado aos profissionais que orientam os adolescentes) responsáveis por coordenar e aconselhar as decisões dos pequenos empreendedores.

Durante o programa, os alunos participam de todas as etapas: da escolha do produto a ser comercializado até o balanço financeiro (despesas, folha de pagamento, impostos, retorno de capital aos acionistas etc.). “Depois do quinto encontro, quando começamos a colocar os conceitos em prática, percebemos um amadurecimento grande dos alunos”, afirma Fernando Metzker, analista técnico em Logística de Transportes da Aperam Timóteo e adviser pelo terceiro ano consecutivo. Em alguns casos, a proposta é tão bem-sucedida que algumas miniempresas continuam funcionando após o término do programa, geralmente com o intuito de arrecadar recursos financeiros para a formatura dos estudantes.

Este ano, o Miniempresas conta também com o apoio do Citi Brasil, por meio da Fundação Citi. A instituição está organizando o concurso Saber Crescer, espécie de gincana virtual lúdica para complementar o aprendizado dos participantes.

Aprendizado mútuo

Em 2011, cerca de 90 alunos do Colégio Lúcia Casasanta, da Escola Batista de Acesita e da Escola Estadual João Cotta de Figueiredo Barcelos participam do Miniempresa. O início das atividades aconteceu no dia 7 de abril, com a aula inaugural realizada no teatro do Centro Cultural da Fundação Aperam Acesita.

Para Fernando Metzker, o programa é uma oportunidade de aprendizado não só para os alunos, mas também para os profissionais envolvidos. “Quando nós estudamos para preparar as aulas, acabamos relembrando vários assuntos e aprendendo sobre outras áreas”, pontua.

Inversão de papéis

Quando cursava o 2º ano do Ensino Médio, Thiago Silva Rocha, então com 16 anos, participou do programa Miniempresa. Hoje, aos 21, trabalha como mantenedor da Laminação a Quente na Aperam Timóteo. “Foi uma experiência importante para a minha formação”, garante.

Em 2009, Thiago decidiu que era hora de inverter os papéis e voltou ao Miniempresa, dessa vez como adviser. “O fato de ter estado do outro lado é um diferencial positivo, pois facilita a comunicação com os alunos e o esclarecimento de dúvidas. É uma troca de experiências muito interessante”, afirma.

Compartilhar:
Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Menu

Clique no botão de edição para alterar esse texto. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.