fbpx

Novidades da Aperam

O biogás é o futuro da energia – e o inox também!

O futuro da eficiência energética está em fontes renováveis. Essa é a mensagem principal da Ecomondo – Feira de Soluções Tecnológicas para Gestão da Sustentabilidade, que reuniu empresários, pesquisadores e representantes do poder público, na cidade de São Paulo, entre  21 a 23 de maio, para debater as principais tendências do setor. Acompanhando o mercado, a Aperam aproveitou a oportunidade para mostrar as potencialidades do aço inox em uma das indústrias limpas que mais cresce no país: a do biogás.

“O segmento tem ganhado importância no Brasil por suas vantagens: trata-se de uma fonte renovável, a matéria-prima pode ser obtida em meio urbano ou rural e sua utilização representa a destinação mais adequada para o resíduo orgânico. Nosso objetivo foi mostrar como o uso o aço inox pode aumentar ainda mais as potencialidades dessa indústria”, avalia o analista de Desenvolvimento de Negócios da Aperam, Cássio Zampol.

O biogás é uma mistura composta por metano e dióxido de carbono, obtida por meio do tratamento de resíduos orgânicos agropecuários, industriais e domésticos. Esses mesmos insumos podem gerar energia elétrica e térmica, além de biocombustível (biometano) e biofertilizante. E a boa notícia é que o aço inox proporciona mais eficiência aos equipamentos utilizados nessa cadeia produtiva.

Para explicar o motivo, é preciso entender como o biogás é obtido. De modo geral, as usinas que o produzem aproveitam a digestão anaeróbica feita por bactérias. A digestão anaeróbia, também chamada de biogasificação ou biometanização, é o resultado da degradação matéria orgânica por microorganismos na ausência de oxigênio. É um processo usado em estações de tratamento de resíduos e para geração de energia, dentre outros. “É uma forma de transformar o que antes era resíduo em energia”, comenta Cássio.

No entanto, esse mesmo processo também gera alguns contaminantes corrosivos, como o ácido acético (CH3COOH), o sulfeto de hidrogênio (H2S)  e o gás carbônico (CO2). “Para assegurar a durabilidade dos equipamentos nas usinas de biogás, é essencial utilizar materiais apropriados nos locais onde acontece a liberação desses compostos corrosivos. E é nesse ponto em que o aço inox é um diferencial”, comenta Cássio.

 

Uso do aço inox é oportunidade

“O biogás não é uma novidade. Trata-se de um mercado que cresce em grande velocidade. Nossa preocupação, nesse cenário, é oferecer às indústrias as melhores alternativas para elevar a durabilidade dos equipamentos e a eficiência dos processos –  e sabemos que o aço inox tem muito a agregar a esse segmento”, avalia o pesquisador do Centro de Pesquisas da Aperam, Adolfo Viana.

A principal vantagem dos aços inoxidáveis é sua resistência à corrosão em meios agressivos, como biodigestores, condutos digestores, agitadores e tubulações. A especificação mais adequada, entretanto, vai variar de acordo com as temperaturas e a concentração de elementos corrosivos em cada etapa do processo (saiba mais no Raio-X).

Além da alta resistência e durabilidade, o aço inoxidável também pode resultar em estruturas mais leves – gerando ganhos em seu processo de instalação e manutenção. Esse benefício adicional decorre da superioridade das propriedades mecânicas dos aços inoxidáveis na comparação com outros materiais.

Para se ter uma ideia, um tanque de 10m de altura e 32 m de diâmetro poderia ter o seu peso reduzido em cerca de 25% com o uso de aço inox em substituição ao carbono – o valor se refere ao total do consumo de aço e pode variar de acordo com o projeto. Além disso, a substituição não demandaria tratamentos ou revestimentos especiais.                                                        

Compartilhar:
Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
Menu